Publicidade
Manaus
Manaus

Polícia prende empresário com bebidas falsificadas avaliadas em aproximadamente R$ 30 mil

Inácio vai responder pelos crimes de falsificação e adulteração de bebidas com teor de álcool, falsificação e adulteração de selos fiscais e corrupção ativa, por tentar subornar os investigadores 04/09/2013 às 11:16
Show 1
Inácio vai responder pelos crimes de falsificação e adulteração de bebidas com teor de álcool, falsificação e adulteração de selos fiscais e corrupção ativa, por tentar subornar os investigadores
Evelyn Souza* Manaus

Após 15 dias de investigação, uma ação integrada entre policiais civis do 10º e do 18º DIP resultou na prisão do empresário Inácio Nogueira, 67, na noite desta terça-feira (3), no bairro Alvorada 2, Zona Centro-Oeste de Manaus. Com ele a polícia encontrou 187 garrafas de bebidas alcoólicas falsificadas. A carga está avaliada em aproximadamente R$ 30 mil. O empresário ainda tentou subornar os policiais com uma quantia de R$ 3 mil.

De acordo com o titular do 18º DIP, Ivo Martins, a polícia começou as investigações após um boletim de ocorrência feito por um comerciante do bairro Novo Israel.

“Ele fez um B.O. no 18º dizendo que se sentiu lesado após ter feito uma comprar na distribuidora do Inácio. A partir daí começamos as investigações que chegaram até ele”, ressaltou.

Na noite desta terça (3) a polícia entrou na distribuidora Nogueira e encontrou vários selos falsificados, que eram usados para colocar na tampa das garrafas de whisky, vodka, champanhe e energético, vendidas irregularmente pelo empresário.

Das 187 garrafas encontradas pelos investigadores, 50 estavam vazias.

O empresário ainda fazia venda de bebidas pela internet, disse o delegado.

Em depoimento ele disse que tudo era legalizado, porém houve contradição no momento em que disse desconhecer a procedência dos selos e ainda de estar arrependido do ato.

Inácio vai responder pelos crimes de falsificação e adulteração de bebidas com teor de álcool, falsificação e adulteração de selos fiscais e corrupção ativa, por tentar subornar os investigadores.

*Com informações do repórter Thiago Monteiro


Publicidade
Publicidade