Segunda-feira, 17 de Junho de 2019
Economia

Polo Industrial de Manaus faturou R$ 34,6 bilhões entre janeiro e junho deste ano

Resultado do semestre indica decréscimo de 8,99% em relação ao mesmo período do ano passado



1120484.JPG (Foto: Arquivo AC)
12/08/2016 às 12:28

O Polo Industrial de Manaus (PIM) faturou R$ 34,6 bilhões entre janeiro e junho deste ano, o que representa um decréscimo de 8,99% em relação ao mesmo período do ano passado (R$ 38,05 bilhões). Em dólar, o faturamento do semestre foi de US$ 9.62 bilhões, significando queda de 25,25% na comparação com o mesmo intervalo de 2015 (US$ 12.82 bilhões). Essa diferença se deve à variação do dólar. Comparando-se o primeiro semestre deste ano com o do ano passado, a moeda norte-americana teve valorização média de 22,61%.

As exportações do PIM, por outro lado, totalizaram R$ 873,8 milhões no semestre, indicando aumento de 0,91% ante igual período do ano passado. Com o desaquecimento do mercado interno, em função da crise, apostar no mercado externo é alternativa para empresas com potencial exportador.

O subsetor Eletroeletrônico continua como o maior responsável pelo faturamento total do PIM, com 27,28% de participação. Depois vêm, respectivamente, os subsetores de Bens de Informática, com 18,12% de participação, Duas Rodas, com 15,67%, e Químico, com 15,44%.

Segmento

Em relação ao primeiro semestre de 2015, os segmentos que apresentaram crescimento no faturamento, em moeda nacional, foram: Bens de Informática do Polo Mecânico (98,66%), Beneficiamento de Borracha (27,27%), Madeireiro (21,11%), Brinquedos – exceto Bens de Informática (18,29%), Têxtil (15,40%), Isqueiros, Canetas e Barbeadores Descartáveis (11,55%), Químico (6,30%), Relojoeiro (3,32%) e Metalúrgico (1,62%).

Microcomputadores desktop (325,06%), televisores em cores (496,12%), rádios e aparelhos portáteis de gravação de áudio – tipo mp3, mp4 – (33,78%) e lâminas e cartuchos (10,42%) destacam-se entre os produtos que alcançaram aumento de produção no primeiro semestre deste ano quando comparados com os resultados obtidos no mesmo período do ano passado.

Empregos

Em junho foi registrada a ocupação de 82.721 postos de trabalho, entre mão de obra efetiva, temporária e terceirizada, o que representa a segunda melhor marca mensal do ano e um aumento de 0,38% em relação ao mês anterior, quando o número estava em 82.408 postos. A média mensal no primeiro semestre ficou em 84.206 empregos.

A superintendente da Suframa, Rebecca Garcia, explica que os Indicadores de Desempenho do PIM referentes ao mês de junho começam a revelar uma recuperação da atividade industrial. “Ainda não é possível indicar reversão do ciclo recessivo, porém, já visualizamos, por exemplo, um leve aumento no número de empregos no mês de junho em comparação com maio. A SUFRAMA segue, dentro do seu alcance, planejando e adotando medidas para a melhora do quadro socioeconômico da região e esperamos que já possamos perceber um avanço gradual nos indicadores neste segundo semestre”, destacou.

Exportações

O aumento nas exportações tem sido a saída para as empresas da Zona Franca de Manaus manterem o faturamento em tempos de vendas em baixo na mercado interno. Segundo dados do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio (Mdic), de janeiro a julho, as vendas externas das empresas instaladas no Amazonas caíram 31,6%, mas algumas empresas conseguiram elevar as exportações. É o caso das motocicletas de 125 a 250 cilindradas, cujas vendas externas cresceram em 9%, e as de 50 a 125 cilindradas em 165,7%. Ou seja, a exportação desse último segmento mais que duplicou. No geral, os países que mais aumentaram as compras de produtos da Zona Franca de Manaus são China (alta de 151%), Hong Konk (138%) e Colômbia (alta de 19%).


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.