Publicidade
Manaus
PERIGO NO EDUCANDOS

Ponte da Zona Sul de Manaus apresenta sérios problemas de erosão

Morador denuncia “tragédia anunciada” em estrutura com erosões que se agravam com período de chuvas 07/01/2017 às 05:00 - Atualizado em 07/01/2017 às 11:49
Show ponte01
Vista parcial de parte da estrutura da obra, uma das mais tradicionais do bairro. Foto: Winnetou Almeida
Isabelle Valois Manaus

Com mais de 30 anos e sem passar por nenhuma manutenção, a ponte de Educandos, localizada na rua Delcídio do Amaral, Zona Sul, tem apresentado sérios sinais de erosão. Moradores das proximidades da ponte afirmam que após as últimas duas fortes chuvas que atingiram a capital, a situação tem se agravado ainda mais, pois houve um desmoronamento da parede e do solo que também faz parte da avenida Lourenço Braga, conhecida como a Manaus Moderna.

Um dos moradores que percebeu a situação foi o projetista de arquitetura César Pereira, 68.  Sempre pelas manhãs, ele gosta de caminhar na orla de Educandos para fotografar a paisagem e, recentemente, percebeu a erosão na parede.

“Sou um dos moradores mais antigos desta orla do Educandos, sei que há anos esse local se encontra totalmente abandonado e sem manutenção. Cheguei a acionar diversos órgãos para acompanhar a situação, mas nunca tive um retorno. Porém desta vez a situação é diferente, a erosão ocorreu em uma região que afeta tanto a Manaus Moderna como também a ponte, e isso pode ser uma tragédia anunciada”, comentou.

César se desesperou quando percebeu que uma parte da parede havia desabado, pois acredita que se houver mais chuvas nos próximos dias a situação se agrave ainda mais. “Como tive que caminhar para mais perto, onde pudesse ter um bom ângulo para registrar a erosão, foi então que fui prestar atenção na ponte. Uma parte dela caiu e está totalmente rachada. Isso é de total perigo. Não entendo como as secretarias responsáveis por essas obras não fiscalizam e nem realizam a manutenção”, disse o projetista.

Outra preocupação do morador é a avenida Lourenço Braga, mais conhecida como Manaus Moderna. De acordo com César, a via recebe diariamente um volume intenso de veículos pesados e teme por novas erosões. Ainda mais, por se tratar de uma região que convive, todos os anos, com o fenômeno da subida e descida das águas.

“O problema também é que as chuvas de grande proporção também influenciam nesta região, e a erosão pode ser maior. Minha preocupação é destinada a tragédia. O poder público tem ficado muito omisso em relação a qualquer situação de nossa cidade. Só temos uma resposta quando há uma tragédia. Isso não pode ser assim, precisamos mudar esse posicionamento e denunciar as irregularidades, cobrar melhorias, pois tudo que é feito na cidade vem do bolso do povo que paga impostos”, desabafou.

Para o engenheiro José Carlos Paiva, diretor administrativo do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia  (CRE-AM), ainda  não é possível afirmar se há  risco e se é necessário interditar a região, mas ele ressalta que, sem manutenção adequada, nenhuma obra dura “eternamente”. “Esses sinais de erosão estão mais presentes por situações que vem ocorrendo há muito tempo”.

José Carlos Paiva - Diretor administrativo do Crea-AM
Em Manaus, as pontes no geral sofrem demais com as ações da cheia e vazante do rio.

No caso da ponte de Educandos vale ressaltar que esta obra existe há pelo menos 30 anos, e pelas características, o local não recebe nenhum tipo de manutenção. É preciso entender que nada dura uma eternidade e nenhuma ação ocorre da noite pro dia. Esses sinais de erosão estão mais presentes por situações que vem ocorrendo há muito tempo. Nenhuma solução é eterna, mas toda grande estrutura tem um tempo de vida útil.

No caso dessa situação que ocorre no Educandos, vamos encaminhar uma equipe técnia para verificar com mais detalhes a erosão que vem ocorrendo no local. Após essa presença técnica, vamos emitir um relatório que será encaminhado até a próxima semana para as secretarias responsáveis onde deverão cumprir o que for expedido no relatório. Por enquanto, não podemos confirmar se há um risco e se é necessário interditar a região, isso tudo será firmado após essas visita técnica que deve ocorrer ainda nesta semana.

Publicidade
Publicidade