Sexta-feira, 19 de Abril de 2019
publicidade
compaj_3B54A1C6-9B29-4B71-AAC5-736FE66466E8.JPG
publicidade
publicidade

CRESCENTE

População carcerária feminina de presídio no AM cresceu 567,4% em 14 anos

Estudo realizado no Compaj verificou que a maior parte dos crimes cometidos por mulheres tem relação direta com o tráfico de drogas. Pesquisa será apresentada em evento este mês em Cuba


15/04/2019 às 14:59

A população feminina do Complexo Penitenciário Anísio Jobim (Compaj) registrou um aumento de 567,4% entre os anos 2000 e 2014, um percentual muito maior que o verificado entre os homens. A média de crescimento de detentos masculinos foi de 220,20%, ou seja, quase um triplo de diferença, de acordo com a pesquisa “O Perfil das Mulheres Internas do Complexo Penitenciário Anísio Jobim – Compaj: Reflexões sobre a Realidade por Trás das Grades”.

Os autores, o advogado e ex-coordenador do Núcleo de Advocacia Voluntária do Tribunal de Justiça do Amazonas (NAV-TJAM), Jayme Benchaya Marinho, Ana Cláudia dos Santos Lacerda e Aline dos Santos Pedraça, procuraram mostrar um perfil da mulher interna permanente do Compaj, os fatores que a influenciaram para que entrasse na criminalidade e o crime que mais contribuiu para o encarceramento feminino no Amazonas nesse período.

Responsável pela equipe que realizou a pesquisa, o advogado Jayme Benchaya, contou o motivo da elaboração do artigo. “Quando estava coordenando o Núcleo de Advocacia Voluntária do TJAM, trabalhava diretamente nos presídios e percebi que não tinha nenhum levantamento em relação às internas que estavam cumprindo pena no Compaj, daí surgiu a ideia de elaborar este artigo juntamente com minha equipe”, disse.

Ao realizar a pesquisa, a equipe relatou algumas constatações importantes. “Como esperado, o estudo verificou que a maior parte dos crimes cometidos por mulheres tem relação direta com o tráfico de drogas, chegando ao patamar de 48,98%. A grande surpresa se deu quanto ao grau de escolaridade das internas - a esmagadora maioria tinha apenas o ensino fundamental incompleto, cerca de 59,18%, e somente 6,12 % de analfabetismo”, informou Jayme Benchaya. O levantamento foi feito com base em análise de documentos e coleta de dados - pesquisa documental, bibliográfica e dados secundários disponibilizados pela Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap-AM).

Evento internacional

Esse trabalho será apresentado na 9ª Conferência Científica Internacional, que ocorrerá entre os dias 24 e 26 de abril deste ano, de 9h até 17h, na Província de Holguín, em Cuba. A apresentação da pesquisa será através de videoconferência. “Eu e minha equipe, ficamos muito felizes e lisonjeados com o resultado, pois para um artigo ser escolhido e aprovado em âmbito internacional não é tão simples, isso torna o trabalho muito gratificante e ainda mais inspirador para elaborarmos outros”, comentou o advogado Jayme com entusiasmo.

De maneira geral, o trabalho aborda ainda o sistema carcerário brasileiro, mostrando um pouco da problemática enfrentada por todo o sistema penitenciário, o qual tem como característica a superlotação e a ausência de estrutura física adequada para a ressocialização do detento. Conforme os pesquisadores, desde sua criação, o sistema prisional do País nunca foi visto como prioridade, “faltando dispor de maior atenção e liberação de recursos”. O governo e a sociedade em geral não acreditam na possibilidade dos detentos e veem como “algo inaceitável” sustentar criminosos, explicam os autores do artigo em trecho sobre a retrospectiva do tema.

publicidade
publicidade
ONU quer mais participação feminina em operações de manutenção de paz
Estilo de vida responde por 63 mil mortes de câncer por ano no Brasil
publicidade
News portal1 841523c7 f273 4620 9850 2a115840b1c3
Jornalismo com credibilidade
publicidade
publicidade
publicidade

publicidade
publicidade

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.