Domingo, 21 de Julho de 2019
CRIME

População fica sem água com furto de hidrômetros em rua do Centro de Manaus

Dispositivo usado para a medição do consumo de água atrai os criminosos por conta do cobre presente em sua composição, que pode ser revendido a sucateiros



hidrometro-furtado-manaus.JPG Foto: Euzivaldo Queiroz
30/07/2018 às 20:39

Moradores e comerciantes do Centro de Manaus estão ficando sem água nos imóveis por conta do roubo de hidrômetros. Na última semana, três dispositivos usados na medição do consumo de água foram furtados em imóveis da rua Tapajós. O crime é motivado pela presença de cobre, que pode ser revendido, na composição do hidrômetro, segundo a Polícia Civil.

O empresário Felipe Carvalho, que alugou um prédio comercial na via para montar uma cafeteria, é um dos que sofrem com o roubo de hidrômetros. "No dia 25 roubaram o hidrômetro e nós ficamos sem água. Eu fui até a Manaus Ambiental, eles ficaram de vir instalar um novo, mas até agora nada", contou Felipe.

Para lidar com a falta de água no imóvel, Felipe enche galões e leva para o prédio no Centro. "No meu caso é um prédio comercial e por sorte ainda não inaugurei. Mas e nos outros dois lugares roubados, que são casas? Como fica para as famílias tomarem banho e lavarem roupa?", questiona.

Com a falta do hidrômetro, que é arrancado inteiro pelos ladrões, Felipe colocou um pedaço de cabo de vassoura no encanamento danificado para evitar que a água vaze e escorra pela calçada.

Moradores da região que estavam pela rua Tapajós, enquanto a reportagem estava no local durante a tarde desta segunda-feira (30), comentaram que os furtos de hidrômetros são frequentes na região. “Essa semana foram esses três aqui (citados nesta matéria), mas antes já tinha roubado dois ali para cima”, comentou um senhor que preferiu não se identificar.

O furto do hidrômetro no imóvel alugado por Felipe foi registrado no 24º Distrito Integrado de Polícia (DIP).

Explicação para os furtos

A presença de cobre na composição do hidrômetro é a explicação para o interesse dos criminosos no dispositivo, de acordo com o delegado Luiz Felipe Vasconcelos Dias, titular da Delegacia Especializada em Combate ao Furto de Energia, Água, Gás e Serviços de Telecomunicações (DECFS).

“Esse é um crime comum no Brasil todo. Geralmente, o que interessa a eles é o ferro, o cobre presente no hidrômetro que é vendido como sucata posteriormente. Inclusive, em alguns estados brasileiros, as concessionárias estão implantando hidrômetros de plástico, para tirar a atratividade para este tipo de furto”, explicou o delegado.

Segundo o titular da DECFS, não há uma atribuição na delegacia para a investigação de crimes do gênero. O delegado recomenda que a população instale caixas com tela que não impeçam a leitura do consumo de água para proteger o hidrômetro e evitar furtos.

Caso o imóvel tenha seu hidrômetro furtado, Dias recomenda que, para evitar possíveis multas, o cidadão registre Boletim de Ocorrência na Delegacia de Polícia da área, além de comunicar a Manaus Ambiental para que instale novo medidor.

Sem resposta

A reportagem procurou a Manaus Ambiental para saber quando a instalação dos novos hidrômetros seria feita nos imóveis furtados na rua Tapajós, mas não obteve resposta até a publicação desta matéria.

Receba Novidades

* campo obrigatório

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.