Publicidade
Manaus
Manaus

População irritada com a greve dos rodoviários na Zona Oeste de Manaus

A greve dos rodoviários não tem previsão para terminar e foi instaurada nesta quinta, durante o ‘Dia Nacional de Luta’, onde sindicatos e entidades civis realizam manifestações por todo o país 11/07/2013 às 10:34
Show 1
Os ônibus geralmente ficam parados durante alguns minutos para seguirem seu destinho, mas nesta quinta-feira (11), segundo os usuários, a espera foi muito maior
Gabriele Bessa ---

Mesmo após a decisão da desembargadora federal plantonista do Tribunal Regional do Trabalho (TRT), Valdenyra Farias Thomé, de determinar que o Sindicato dos Rodoviários de Manaus mantenha 60% da frota do transporte coletivo ativa, muitas reclamações de usuários foram realizadas na manhã desta quinta-feira (11), na Zona Oeste da cidade.

A greve dos rodoviários não tem previsão para terminar e foi instaurada nesta quinta, durante o ‘Dia Nacional de Luta’, onde sindicatos e entidades civis realizam manifestações por todo o país. Eles solicitam ampliações nos direitos trabalhistas, melhores condições de trabalho e investimentos nos direitos básicos dos cidadãos.

Entre tantas pessoas atingidas pela greve dos rodoviários, no bairro de São Raimundo, está à secretária Maria Luiza Vieira, 25, que em dias comuns, disse esperar de 15 a 20 minutos por um ônibus das linhas 101 ou 100, com destino ao Terminal 1 e Centro da cidade. Nesta quinta-feira, Maria teve o tempo de espera prolongado por 1h, o que a deixou irritada.

‘Os coletivos que vão para o Centro, como o 112 e o 129, estão circulando, mas os do bairro não. Eles estão demorando muito pra sair da linha”, afirmou a secretária.

O auxiliar de faturamento, Rafael Verçosa, 23, conseguiu pegar o ônibus da linha 100 por volta das 6h30, mas também não hesitou nas reclamações. ‘Consegui pegar o ônibus, mas hoje está muito lotado. Os passageiros estão pendurados na porta, eu era um deles. Geralmente esta linha é lotada mesmo, mas hoje se superou, com certeza é por causa das paralisações’, destacou Rafael.


Publicidade
Publicidade