Publicidade
Manaus
ÁGUA

População relata transtornos após a suspensão do abastecimento de água

Cerca de 70% dos bairros ficaram sem água por 12 horas, prejudicando moradores de 150 localidades, entre conjuntos, bairros e comunidades. O problema ocorreu em função da manutenção em uma Estação 01/06/2016 às 12:05
Show 1089617
A falta de água em 70% dos bairros de Manaus levou alguns moradores a procurarem postos de públicos distribuição (Fotos: Evandro Seixas)
Náferson Cruz

A capital amazonense sofreu mais uma vez com a falta de água. O desabastecimento prejudicou 70% dos bairros das 8h às 20h de ontem, afetando aproximadamente 150 localidades, entre conjuntos, bairros e comunidades.

Em um dos bairros afetados, no Zumbi 2, Zona Leste, os moradores reclamam que o problema vai além da manutenção feita pela Manaus Ambiental. Por lá, os moradores tem hora para receber o líquido e armazená-lo em tanques e baldes. A situação se arrasta há mais de 10 anos. “Até já estamos acostumados com esse problema, temos que ficar de olho na torneira, se não temos que ir em busca da água em outro local”, disse Mauro de Assis Mendes, 38, morador do bairro.

O comerciante Eliano Castro Martins, 55, que, também mora há 12 anos no Zumbi 2, diz não entender o porquê da falta de água no bairro. “Pagamos nossas contas em dia, mas a água vem uma vez ou outra e ainda temos que ficar de prontidão, caso contrários ficaremos sem água”, contou o morador da na rua Santa Helena.

Segundo a moradora do bairro São José 3, Maria Auxiliadora Siqueira, 47, a falta do ponto de abastecimento leva os moradores a ter que limitar as atividades e a depender do comércio de água. “Tivemos que comprar dois garrafões para suprir a necessidade da família”, comentou Auxiliadora. Para os que moram longe do posto, o jeito é improvisar carrinhos de mão para transportar os garrrafões com água ou garrafas tipo pet.

A Manaus Ambiental informou que o desabastecimento ocorreu em função da realização de uma parada programada na Estação de Tratamento de Água I e II (ETA I e II), localizada no Complexo de Produção da Ponta do Ismael, e do ETA Mauazinho. De acordo com a Manaus Ambiental, o abastecimento foi previsto para ser normalizado em até 24 horas após a finalização dos trabalhos.

A Manaus Ambiental ressalta que esses serviços foram necessários para garantir ainda mais o pleno funcionamento diário das estações de água. “Vale ressaltar que a Manaus Ambiental com essas intervenções visa a melhoria continua no desempenho das suas atividades, para melhor atender seus clientes”, garante a concessionária.

Caminhões pipas

A concessionária informou ainda, que em seu plano de contingência providenciou o abastecimento de água, através de caminhões pipas para os clientes especiais, preferencialmente: hospitais, clínicas e maternidades, bem como também realizará manobras operacionais com essa finalidade.

Alternativa para sanar problema

O desabastecimento temporário de água na capital levou centenas de moradores a buscarem outras alternativas. Muitos recorreram a postos públicos de distribuição de água. Outros, a compra de garrafões. “Tivemos que desembolsar um certa quantia para resolver problemas pontuais em casa, até o abastecimento retorne”, disse a universitária Clara Silva, 29, que mora no bairro Coroado.

Há ainda aqueles que contaram com o apoio de familiares. Por telefone, Lucas Amorim, 25, estudante, disse que para ter ir trabalhar teve que passar a noite na casa da tia, no bairro Petrópolis, na Zona Sul, onde há caixa d’água para o armazenamento. “Somente assim, conseguiu tomar banho para ir ao trabalho, espero que a água retorne logo”, comentou o estudante, enquanto se dirigia para a sua casa, no Coroado 2, Zona Leste.

Abastecimento

A ETA I e II é responsável pelo abastecimento de 70% da população, que abrange as zonas Norte, Centro Sul, parte da zona Sul e parte da zona Leste. Sendo assim, essas áreas terão o abastecimento interrompido durante a execução dos serviços.

Publicidade
Publicidade