Publicidade
Manaus
INSATISFAÇÃO

População reprova segurança pública, asfalto e saúde em Manaus, aponta pesquisa

Quase 80% do eleitorado de Manaus, em pesquisa realizada pela Projeta, classificaram como regular, ruim ou péssima a atuação da prefeitura de Manaus 30/04/2017 às 08:15
Show foto1
Falta de segurança lidera a preocupação dos manauaras (Foto: Jander Robson)
acritica.com Manaus (AM)

Quase 80% do eleitorado de Manaus, em pesquisa realizada pela Projeta, classificaram como regular, ruim ou péssima a atuação da prefeitura. Para o eleitorado, Segurança Pública, Saúde e Asfaltamento são os três principais problemas da cidade de Manaus, segundo pesquisa de opinião feita pela empresa Projeta. A sondagem apontou que 62,1% da população veem com preocupação a questão da segurança pública, seguido pela saúde (33,4%), asfaltamento (24%), desemprego (18,6%) e transporte público (18,2%).

Encomendada pelo jornal A CRÍTICA, a pesquisa ouviu 800 pessoas acima de 16 anos em diversos bairros da capital, para avaliarem a atuação da Prefeitura de Manaus e indicarem os principais problemas da cidade. A coleta de dados foi realizada nos dias 24 e 25 de abril. A margem estimada de erro é de 3,4% para mais ou para menos.

A atuação da prefeitura foi classificada por 78,1% das pessoas ouvidas como regular, ruim e péssima. Apenas 13,5% a consideram boa e ótima. Não souberam ou não quiseram responder 8,5% dos questionados.

De acordo com a sondagem, mais de 63% dos manauaras desaprovam a maneira como a Prefeitura de Manaus vem sendo administrada pelo prefeito Artur Neto (PSDB. Do total de entrevistados, 63,2% reprova a administração tucana, 23,7% aprovam e 13% não souberam ou não responderam.

A pesquisa revelou que a segurança pública é um dos maiores problemas do município que há mais de quatro anos é administrado pelo prefeito Artur Neto. A sondagem apontou que 62,1% da população veem com preocupação essa questão, seguido pela saúde (33,4%), asfaltamento (24%), desemprego (18,6%) e transporte público (18,2%).

Responsável

Entre os entrevistados, 40,5% acreditam que o prefeito Artur Neto é o responsável pelos problemas da capital. Para 30,37% essa responsabilidade é do governador José Melo (Pros) e para 18,45%, do presidente Michel Temer (PMDB). A segurança pública é avaliada como péssima por 53,3%, ruim por 28,3%, regular por 13,9%, boa para 4,2% e ótima para 0,3%.

Nas seis zonas da cidade, a segurança pública lidera o ranking de insatisfações. Na Zona Oeste, 66,9% avalia esse setor como o principal problema. O quesito também lidera se compararmos por idade, sexo e escolaridade dos entrevistados.

Indicado como a segunda maior mazela do município, a saúde pública é definida como péssima por 44,8% da população acima de 16 anos. Outros 27,6% a consideram ruim e 17,8% regular. Do total, 8,6% classifica o serviço como bom e 0,3% ótimo. Apenas 1% não soube ou não respondeu.

A pesquisa também aferiu a qualidade da educação pública, que foi considerada regular para 33,4% e boa para 22,2%. No entanto, 18,6% consideram o serviço péssimo, e 18,3%, ruim. Entre outros problemas que aparecem listados pelos entrevistados estão saneamento básico (10,3%), abastecimento de água (8,7%) e corrupção (8,5%), iluminação pública (5,5%).

Asfaltamento preocupa na zona Oeste

A pesquisa realizada pela Projeta indica, ainda, que no segundo lugar do ranking, há diferença na percepção da população sobre seus principais problemas enfrentados na capital. Enquanto na Zona Leste, 48% os entrevistados destacam a insatisfação com a saúde, na Zona Oeste, 40% as pessoas ouvidas destacam o asfaltamento como problema.

Foto: Clóvis Miranda

As zonas Norte (35%), Sul (30%) e Centro-Sul (29%) também destacaram a saúde sendo como um grande problema a ser enfrentado no município. Na Zona Centro-Oeste, o segundo lugar do ranking fica com a manutenção das ruas, com a falta de asfaltamento adequado. Isso foi apontado por 22% dos entrevistados.

O transporte público é apontado como quarto maior problema nas zonas Leste (20%), Norte (22%), Oeste (17%), Centro-Oeste (13%) e Centro-Sul (18%). Já na Zona Sul o problema do abastecimento de água aparece na quarta posição, com 18% na escolha dos entrevistados.

Ruas escuras afligem mais as mulheres

A questão do desemprego na capital preocupa os entrevistados não alfabetizados, representando 37,5% dos que responderam os questionamentos, e aqueles que possuem o ensino fundamental incompleto, com 24,2%. E também entre a faixa etária de 35 a 44 anos, com 23,5%.

Na Zona Norte da capital, a falta de emprego preocupa 33% dos entrevistados, despontando no terceiro lugar no ranking dos problemas.

Dos entrevistados na Zona Leste de Manaus, 15% aponta a questão da educação como preocupante. Seguido das zonas Centro-oeste (9,8%) e Sul (9,7%).

Entre as pessoas ouvidas pela consulta com mais de 55 anos, 14% aponta que a educação é uma das maiores dificuldades do município.

Os problemas de iluminação pública preocupam mais as mulheres do que os homens. Dos que afirmaram que essa é a principal mazela da cidade, 7% eram eleitoras enquanto 4,1% era eleitores.

Publicidade
Publicidade