Publicidade
Manaus
Segurança

População se une com a polícia contra a violência em conjuntos e bairros da cidade

Moradores de conjuntos residenciais e bairros se uniram contra a insegurança onde moram observando a movimentação das ruas e passando informações à polícia 16/04/2016 às 15:39 - Atualizado em 17/04/2016 às 12:41
Show rede de vizinhos
Moradora do Jardim de Versalles se protege de assaltos atrás das grades (foto: Márcio Silva)
Joana Queiroz Manaus (AM)

Moradores dos conjuntos Vieiralves, Zona Centro Sul, Jardim de Versalles, na Zona Centro-Oeste e do bairro Cidade de Deus, na Zona Norte, se uniram à Polícia Militar para diminuir os índices de violência, principalmente as ocorrências de assaltos em via pública, a principal ação dos criminosos que tira a tranquilidade da população.

O telefone celular é a arma que eles usam pra trocar informações, uns com os outros, e com a polícia.  Grupos no WhatsApp foram criados para facilitar a comunicação. No conjunto Jardim de Versalles, a iniciativa começou depois de vários assaltos. Alguns  até tentaram resolver seus problema contratando seguranças particulares, câmeras de vídeo, portões eletrônicos, muros altos, porém acabaram vendo que  os ataques continuavam quando estavam saindo ou chegando as suas casas.

Há mais ou menos seis meses, policiais da 17º Companhia Interativa Comunitária (Cicom) criaram o projeto “Rede de Vizinhos Protegidos”, em que os vizinhos observam a movimentação da rua onde moram e a qualquer ação suspeita, um  avisa o outro por meio do WhatsApp e entram em contato com a Cicom. Nos muros foram fixadas placas com o número da Cicom, o que facilita a comunicação com a polícia.

A dona de casa Berenice Sena, 54, moradora da rua 24 do Jardim de Versalles, ainda não recuperou a confiança, mas está otimista. Segundo ela, os assaltos em via pública estão diminuindo. O empresário Cleber Brasil, 36,  diz que a Rede de Vizinhos Protegidos está ajudando baixar os índices de violência. Os moradores discutem os problemas de segurança com os policiais da área em reuniões.

No Vieiralves, a iniciativa partiu dos empresários donos de lojas que, cansados de assaltos, criaram um grupo no WhatsApp que os mantém permanentemente em contato com a 16ª Cicom. De acordo com a presidente da Associação dos Empresários  do Vieiralves  Adlinez Moreno, os números de assaltos e arrombamentos diminuíram no conjunto.

Na área da 13ª Cicom, na Cidade de Deus, o capitão Alisson Henriques disse que aprimorou  a forma de policiamento comunitário iniciado pelo programa Ronda no Bairro, iniciado em 2012. “Eu mantenho grupos de WhatsApp com lideranças comunitárias, empresários, comerciantes e escolares. Por meio dos grupos fico informado do que acontece na minha área”, disse.

Combate ao crime

O secretário de segurança pública, Sérgio Fontes, disse que a polícia trabalha para reduzir os  índices de criminalidades com o aumento de patrulhamento nas ruas, operações nas bocas de fumo nas áreas que ocorrem os homicídios, instituir o plantão de investigação criminal para os finais de semana para tentar prender os autores do crime no momento que ele acontecer. De acordo com o secretário, em época de crise a violência aumenta. “E nós notamos um aumento da violência contra a integridade física de pessoas, porém  em fevereiro e março está havendo uma pequena redução”, disse o secretário.

A Zona Norte, nos bairros Montes das Oliveiras e Colonia Terra Nova;  bairros da Zona Leste e a  Compensa, na Zona Oeste, onde há  um bolsão de violência motivada pelo tráfico, são os locais com maior índices de violência hoje. 

Cleber Brasil - empresário

Moro no Jardim de Versalles há 16 anos. Aqui já fui alvo de bandio , vi vizinho sendo assaltado.  Muitas coisas contribuem para a violência. Por exemplo, a falta de iluminação pública e  a ausência da polícia nas ruas. Acredito que com esse projeto (Rede de Vizinhos Protegidos),  as coisas começaram a mudar. A polícia está mais presente, a gente consegue ver a viatura passando mais de uma vez por dia por aqui.  O capitão responsável pela área conversa e faz reunião com a gente. Estou  me sentindo mais seguro. 

Frase

"Se  eles (traficantes) matam por causa da droga e espaço, nós vamos incomodar esse negócio para que ele  pare de gerar dinheiro e cadáveres”, disse Sérgio Fontes, secretário de segurança pública do Estado.

Publicidade
Publicidade