Publicidade
Manaus
CRATERA

Sem prazo para acabar, interdição de trecho da av. Djalma Batista afeta população

Trânsito, acidentes e queda nas vendas do comércio são alguns dos transtornos provocados. Seminf afirma que tubo da via tinha mais de 40 anos 13/03/2018 às 07:04 - Atualizado em 13/03/2018 às 08:45
Show cratera
Sem prazo para liberação da av. Djalma Batista: a trânsito e o comércio sofrem. Foto: Euzivaldo Queiroz
Álik Menezes e Silane Souza Manaus (AM)

Sem prazo definido para o fim das obras de substituição de uma rede de drenagem na avenida Djalma Batista, entre a rua Pará e João Valério, no Vieiralves, Zona Centro-Sul de Manaus, motoristas, pedestres e lojistas sofrem com o caos no trânsito em diversas ruas da capital amazonense reflexo da interdição.

O engenheiro responsável pela obra, Orlando Holanda, disse que o problema na tubulação foi descoberto no dia 17 de dezembro do ano passado após uma cratera se abrir em decorrência de um vazamento na rede da abastecimento de água da concessionária da Manaus Ambiental. Segundo ele, os tubos de ferro que existiam no local estavam esmagados e tinham mais de 40 anos. "Caso a obra não fosse realizada, uma tragédia poderia ocorrer", alertou.

“O tubo que atravessa aqui a Djalma foi feito há quarenta anos e está todo esmagado. Esse problema aqui já ocorreu no final de 2012, mas foi se agravando e agora chegou ao ponto máximo de gravidade. Havia o risco de romper abruptamente e a gente teria que fazer de uma forma mais dramática do que nós estamos fazendo. Então, essa parte aqui foi toda planejada. É um trabalho de emergência”, disse. 


Mais de 100 homens e 20 máquinas executam o serviço na Djalma Batista, segundo a Seminf. Foto: Divulgação

Enquanto os trabalhos na avenida são realizados, motoristas precisam ter paciência já que o trânsito nas ruas Pará, João Valério, Djalma Batista, Constantino Nery e adjacências está completamente prejudicado. “Eu moro no Vieiralves e trabalho no São Jorge. Sou praticamente obrigado a pegar a João Valério, está um caos, não existe a possibilidade de pegar um atalho. Tem horas que fica insuportável”, disse o advogado Lucas Sampaio, de 28 anos. 

O administrador de empresas Caio Carvalho, 33, disse que nem se arrisca a tentar “uma rota de fuga”, já que as ruas próximas também estão sendo mais usadas por outros motoristas. “No primeiro dia dessa obra eu tentei pegar uns atalhos no Vieiralves, mas me dei bem mal. Agora eu fico na principal mesmo, o tempo para chegar ao trabalho vai ser muito superior ao de antes, eu chegava ao trabalho em meia hora, agora nem sei”, lamentou.

O comerciante Felipe Santana, que tem uma loja de confecções no Vieiralves, disse que após o início das obras o movimento na loja caiu porque as pessoas estão evitando ir ao bairro. “Está bem difícil. Meus sócios que passam mais tempo na loja me contam que o movimento está bem fraco e eu comprovo quando chego em horários que geralmente tinha bastante cliente”, disse.

Prefeitura diz que prazo seria 'imprudência'

A reportagem do Portal A Crítica entrou em contato com a Secretaria Municipal de Infraestrutura (Seminf) para questionar sobre o prazo de conclusão da obra. No entanto, a pasta informou que a “engenharia da Seminf não tem o prazo específico” e destacou que mais de 100 homens e 20 máquinas executam o serviço.

“A troca de mais de 40 metros de tubulação subterrânea, onde cada aduela em concreto armado pesa em torno de uma tonelada, e estão sendo implantadas com mais de seis metros de profundidade, precisa ser feita com responsabilidades. São homens, pais de família que trabalham de forma dedicada no local. Seria imprudência dar um prazo específico. A Prefeitura de Manaus tem se empenhado para trabalhar de forma responsável e dedicando força máxima para concluir a troca das tubulações com mais de 40 anos de existência”, diz a nota.


Prefeitura só tapou a cratera da rua Mantiqueira, no bairro Redenção, após carro cair. Foto: Jair Araújo

Drenagem: 21.000 m² de novos tubos

A Seminf informou que tem executado rotineiramente a substituição e implantação de redes de tubulações de drenagens profundas em todas as zonas da cidade. O serviço faz parte do cronograma de ações para troca de rede de drenagens, realizado desde o ano passado pela secretaria. “Só em 2017, 21 mil metros de tubulação foram trocados em diversas zonas na cidade”, destacou.

Ainda de acordo com a pasta, suas equipes atuam rotineiramente com programações de tapa-buraco, implantação de drenagem profunda, superficial e mais o asfalto em todas as zonas geográficas da cidade, e trabalham incansavelmente para entregar sempre o serviço da melhor qualidade. Somente nos dois primeiros meses deste ano, foram executados 79 mil metros quadrados de serviços asfálticos.  “É assim que a prefeitura tem se empenhado de forma enérgica para minimizar cada dia mais os problemas de infraestrutura básica em mais de 16 mil logradouros da cidade de Manaus”, destacou.

Transtornos em vários bairros

Nas últimas duas semanas, problemas na rede de drenagem também provocaram muitos transtornos aos moradores do bairro Redenção, na Zona Centro-Oeste, e do conjunto Castanheiras, na Zona Leste. Em ambas as áreas, veículos chegaram a cair dentro das crateras que se formaram nas ruas Mantiqueira e Penetração, respectivamente. Nos dois locais, as obras de substituição da tubulação tiveram início no fim de semana e ainda impactam no trânsito.

O mecânico Francisco Assis de Oliveira, disse que o problema de buracos não é exclusivo da rua Penetração, nem os acidentes são. O conjunto todo sofre com a falta de manutenção das vias. “Não foi só aqui que aconteceu acidente. Ontem (domingo) mesmo um carro caiu em um buraco na outra rua aqui do lado”, disse o morador.


Na av. Penetração, no conj. Castanheiras, buraco no meio da pista põe em risco o trânsito. Foto: Márcio Silva

Situação semelhante enfrentam os moradores do conjunto João Paulo, na Zona Norte da cidade, onde, na última sexta-feira (9), um ônibus coletivo perdeu o controle, atropelou e matou uma mulher. Para os moradores, os buracos podem causar novos acidentes. “Com tantos buracos, esses ônibus velhos não aguentam”, disse o técnico de manutenção predial Nazareno Silva de Souza, 41.

A Seminf informou que atuou na substituição de uma tubulação de rede de drenagem na rua Mantiqueira em caráter emergencial no sábado. Os trabalhos estão na fase de asfaltamento e em seguida a via será liberada para tráfego. Doze homens e máquinas da pasta atuam no local para finalizar os serviços o quanto antes.

Sobre a rua Penetração, a Seminf informou que atuou na limpeza da tubulação e na ampliação da caixa coletora para o melhor escoamento das águas pluviais. A obra aguarda a cura do concreto da tampa da caixa para que, em seguida, seja realizado o asfaltamento da via e serviços de tapa-buraco no local. Mesmo com a obra, a via segue liberada para tráfego. 

Em relação às vias do João Paulo, Monsenhor Assis Peixoto (onde houve o acidente envolvendo o ônibus) e Pastor Júlio Dantas, ambas encontram-se na programação para ser atendida até a próxima semana com os serviços necessários.

Publicidade
Publicidade