Terça-feira, 20 de Abril de 2021
PLANOS

Pós-pandemia: como planos e expectativa de superação podem nos ajudar a passar por esse momento crítico

O A CRÍTICA ouviu pessoas comuns e uma especialista sobre o tema



8e13cdc2-638a-4e94-8db0-c89d212a46e3_2E123B31-32DB-4F6E-B3DA-5085A8B6A69C.jpg
10/01/2021 às 01:45

Olhando para trás - e não precisa ir muito longe para isso - fazer uma viagem, visitar os pais, abraçar os amigos ou ir em uma festa era algo corriqueiro, que podia ser feito sem muito planejamento e nem requeria cuidados. Era só desejar, se programar e simplesmente fazer.

Só que desde o início da pandemia, tudo isso teve que ser deixado de lado e coisas que eram simples passaram a ser verdadeiros sonhos de consumo para muita gente. Para essas pessoas, fazer planos e pensar de que forma a vida será retomada em um futuro próximo (é o que se espera!), tem sido a principal motivação para continuar vivendo esse período de incertezas, medo e isolamento.



A jornalista Betsy Bell, que perdeu a mãe e vários amigos para a Covid-19, afirma que ser positivo e planejar um futuro melhor é mais que um exercício, mas uma verdadeira obrigação de todos em um momento tão crítico.

“Agora é o momento de colocarmos em prática a nossa missão de vida e pensarmos no legado que queremos deixar no mundo”, afirmou. Mesmo em um momento tão difícil para o mundo e, em especial para ela, a jornalista lançou livros, se dedicou ao trabalho e manteve seus planos.


Betsy bell com a mãe, que faleceu durante o primeiro pico da pandemia em Manaus. Foto: Arquivo Pessoal

“A partir de agora, o nosso trabalho não ajuda somente a nós mesmos, mas tem que servir para motivar outras pessoas. Por isso, quero continuar trabalhando, escrevendo livros, contando a história das pessoas e deixando a minha obra marcada na minha vida”, pontuou.

Já a enfermeira Maria Alice Santos disse que seu trabalho nos últimos meses a fez dar valor para coisas que estavam um pouco de lado.

“Agora, vejo como mudou o fato de não conseguir encontrar as pessoas e como esse contato é importante para todos. Em alguns momentos, me sinto mal diante de tudo o que tá acontecendo um sorriso de alívio de uma mãe que eu ajudo a amamentar ou de um paciente que me agradece por uma medicação são capazes de recarregar todas as minhas baterias. Por isso, o meu principal plano é continuar a ajudar cada vez mais pessoas e transformar a energia da gratidão em algo positivo para a energia de todos”.


Conviver com perdas diárias fez Maria Alice passar a dar mais importância ao simples. Foto: Arquivo Pessoal

Viagens e mais viagens

Completamente apaixonado por viagens, o jornalista e funcionário público César Augusto de Oliveira, 47, afirmou que não vê a hora de voltar à rotina nos aeroportos, hoteis e pontos turísticos.

“Minha paixão por viajar começou em 2010 e foi interrompida ano passado com a pandemia, justamente quando eu estava em Curitiba de férias. Cancelei tudo o que tinha programado para o ano (uma viagem para Espírito Santo/Bahia/Maranhão em agosto e Rio Grande do Sul, em dezembro), mas quando as coisas começaram a se estabilizar, retomei meus planos. Mas com tantas mudanças de alerta nos meus destinos, cancelei tudo outra vez”, lamentou.


Assim que a pandemia amenizar, César Augusto pretender recuperar o tempo perdido viajando pelo país. Foto: Arquivo Pessoal

No entanto, a proximidade da vacina fez com que ele retomasse a fazer sua programação.  “Agora, espero conhecer tudo o que falta do meu país: Espírito Santo, região Centro-Oeste e o restante do Norte (Amapá, Acre, Rondônia, Tocantins e uma parte do Pará). Como meu trabalho permite esse planejamento antecipado, já tenho tudo programado para até 2023 eu poder dizer que conheci todo o Brasil! Agora, mais do que nunca, depois de tanta tristeza e tanta decepção com as pessoas, desejo viver intensamente cada belo momento desses”, afirmou.

Já a também jornalista, professora e coordenadora de cursos de jornalismo, publicidade e propaganda e design gráfico em uma universidade, Jonária França, disse que além de reformar a casa, seus principais planos estão relacionados à educação da filha, a pequena Marissol, de três anos e meio.

“Ela estava no segundo semestre de escolinhas (creche-maternal 1). Suspendemos por receio do vírus. Agora estávamos tomando coragem para que ela voltasse, mas com o aumento em de casos Manaus, vamos repensar”. 


A educação da filha é prioridade para Jonária quando as coisas se acalmarem. Foto: Arquivo Pessoal.

Ela também falou de como quer atuar no seu trabalho daqui para frente. “Temos alguns projetos para os cursos de comunicação que seriam presenciais, mas que teremos de readequar. De qualquer forma, não vamos deixar de fazer porque a internet ajuda a aproximar e oportuniza realizar algumas atividades e levar educação para além do campus universitário”.

Para Pedro Rios, a pandemia é uma oportunidade para fazer com que as pessoas melhorem seus comportamentos. “Eu quero me tornar uma pessoa melhor, em todas as áreas da minha vida que ainda precisam ser melhoradas. Mais humano, entender mais o próximo, me colocar mais no lugar do outro, essa mudança precisa ser mais em atitudes do que no falar bonito”. Pedro acha que as perdas devem ser vistas como lição para termos um futuro diferente. 


Pedro Rios vê na crise da pandemia uma maneira das pessoas buscarem melhorar como seres humanos. Foto: Arquivo Pessoal.

“E toda essa situação da pandemia, todas essas perdas de pessoas queridas, que se vão quase que todos os dias, tudo isso quer nos ensinar algo. E nós precisamos aprender a sermos pessoas melhores, eu preciso!”, afirmou.

Palavra da especialista

Manter pensamentos positivos no planejamento pós-pandemia é de extrema importância, segundo explicou a psicóloga Neyla Siqueira. Segundo a especialista, todos precisam passar esse momento crítico pensando no futuro de forma produtiva. Ela acredita que o convício com a família e com os amigos vai tomar uma importância diferente na vida das pessoas quando a pandemia tiver fim. 

“Um dos principais planos vai ser sair da individualidade e passar a manter a positividade no sentido de valorizar o outro, a amizade, a família. Todos vão querer valorizar ainda mais o contato com outras pessoas”, afirmou.

Ainda de acordo com ela, os planos e a positividade são importantes tanto para vivermos esse momento delicado do presente quando para o futuro.

“Para hoje, serve para reestruturar a mente. Já quando isso tudo passar e o futuro chegar, precisaremos colocar os planos em prática de forma responsável e segura”, pontuou.

Especial para A CRÍTICA

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.