Quarta-feira, 24 de Julho de 2019
Trapalhada da Eletrobras

Poste na frente da garagem de moradora não a deixa sair e nem entrar mais em casa

Eletrobras desconsiderou os apelos da moradora, decidiu colocar o poste ali e agora está cobrando R$ 1,8 mil para a retirada. Sem pode fazer nada, há cinco anos ela deixa o carro na rua correndo o risco de ser assaltado



1085191.JPG Maria diz que garagem ficou muito apertada e carro não consegue mais passar. Foto: Aguilar Abecassis - 18/05/2016
20/05/2016 às 13:34

O direito de ir e vir da própria garagem de casa da funcionária pública Maria Nunes, moradora da rua Ômega, bairro Petrópolis, Zona Sul, foi obstruído do dia para noite. A moradora alega que a concessionária Eletrobras Distribuição Amazonas Energia instalou um poste na frente do portão da garagem dela e agora está cobrando a “bagatela” de R$ 1.184,03 para o afastamento do mesmo. Sem conseguir entrar e sair da própria residência, Maria deixa o carro na rua correndo o risco de ser assaltado.

A situação, de acordo com a funcionária pública, já ocorre há cinco anos e nada é resolvido. Ela contou que chegou a informar a equipe técnica de que o poste prejudicaria a entrada e saída da residência de automóvel, mas mesmo assim ele foi instalado. “Eles apenas me falaram que eu precisaria ir até a sede da empresa, fazer uma carta explicando porque eu estava solicitando o afastamento e anexar uma foto da frente da minha casa. Apesar de ter feito como o combinado, e de uma equipe técnica ter vindo na minha residência constatar a situação, ainda me mandaram um email com o orçamento do serviço”, explicou.

De acordo com Maria, o afastamento não foi pedido para fins estéticos, e sim para a utilização da garagem, mas a empresa não teria reconhecido que prejudicou a moradora. “O erro em colocar o poste na frente da minha garagem foi da concessionária. Acho que não é da minha competência ter que pagar”, justificou a funcionária pública, que disse ainda não ter como pagar o valor integralmente.

A Eletrobras Amazonas Distribuição informou que a cobrança está amparada na resolução de número 414, da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel). Em nota, a empresa afirma que “este tipo de serviço é realizado pela Empresa quando há interesse exclusivo do consumidor. Dessa forma há participação financeira do cliente para a execução. Após pagamento o serviço é executado em até 30 dias”.

Receba Novidades

* campo obrigatório

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.