Publicidade
Manaus
Preservação

Praticantes de ‘SUP’ fazem ação ambiental no Tarumã e recolhem lixo das margens do rio

Ao final do trabalho eles conseguiram encher 50 sacolas de cem litros cada, com lixo retirado das águas do igarapé 27/05/2016 às 19:42 - Atualizado em 27/05/2016 às 21:07
Show 2
'Salve o Tarumã' é uma ação que conta com a participação de jovens acadêmicos e atletas (Fotos: Aguilar Abecassis)
Luana Carvalho Manaus (AM)

A frase “salve o Tarumã” foi formada nas areias da Praia da Base, no Lago Tarumã, por um grupo de voluntários que utilizou PETs, embalagens de plástico, garrafas de vidros, isopor, alumínio e até lâmpadas fluorescentes para fazer o alerta, durante a ação ‘Remada Ambiental’,  que aconteceu na manhã desta sexta-feira (27). 

Com pranchas de Stand Up Paddle (SUP), os jovens remaram até a praia para iniciar a coleta dos resíduos. Ao final do trabalho, eles conseguiram encher 50 sacolas de cem litros com lixo retirado do local. E, apesar de terem noção do que encontrariam, muitos ficaram surpresos com a quantidade de resíduos. 

“A gente se deparou com muito plástico, 80% do resíduo coletado era plástico. Nos chamou a atenção também outros tipos de resíduos, como as lâmpadas fluorescentes, embalagens com características de resíduos perigosos, garrafas de óleo e até gasolina”, relatou Joice Maciel, técnica da Apoena Socioambiental, que também idealizou o projeto junto com a iniciativa X-Lab Manaus e o SUP Amazonas. 

Para ela, a dimensão do problema é muito maior do que eles imaginavam. “Foi impressionante porque a gente está aqui, todos os dias, praticando esporte, e não temos ideia de como estão essas prainhas, a gente não consegue enxergar a quantidade de resíduos”, comentou. 

Joice explica, ainda, que a ação foi importante para chamar a atenção do poder público. Embora estejam organizados, o grupo ainda precisa de apoio do Estado e do município para uma ação de maior impacto. Por isso, busca parcerias com cooperativas por conta da dificuldade em dar destinação ao lixo. “Estamos tirando estes resíduos, mas  quem vai levá-los?”, questionou. 

‘Presente x futuro’

O instrutor de Stand Up Paddle, Jadson Maciel,  explica que teve a ideia de realizar a remada ambiental por causa de suas próprias experiências no lago. “Notamos, conforme as remadas durante a semana,  uma quantidade grande de lixo flutuando, e isso chamou a atenção. Outro dia fiz uma remada antes do sol nascer e me deparei com o lago repleto de lixo. Muitas vezes a gente não vê porque com o raiar do sol, vento e embarcações, este resíduo acaba sendo empurrado para a margem ”. 

Jadson conta, ainda, que mesmo sem apoio do governo ou instituições, o grupo continuará com o projeto, de maneira colaborativa. “Estamos preocupados com o futuro e com o presente. Tenho um filho de dois anos e quero que ele continue tomando banho aqui, não quero que ele seja só mais um amazonense a contar a história de que um dia já se banhou nessas águas. Se o poder público não quiser ajudar, a gente vai fazer a nossa parte, temos jovens com toda disposição para cuidar do lago”. 

Entre estes jovens, estava Italo Michilhes, integrante do X-Lab Manaus, uma iniciativa nova que reúne jovens e acadêmicos preocupados em contribuir positivamente com sua localidade. “Nós queremos uma sociedade melhor em todos os eixos de relevância. E a gente percebe que hoje em dia os jovens entram na universidade e não sabem o que realmente querem pra vida deles.  Por isso tentamos inseri-lo no contexto local, para que ele possa ter outra visão de sociedade”.

Publicidade
Publicidade