Sábado, 22 de Fevereiro de 2020
NO ESQUECIMENTO

Prédio administrado pela SEC está abandonado no Centro de Manaus

No espaço que já foi sede da Escola Superior da Magistratura do Amazonas, livros jurídicos estão jogados pelo chão, janelas quebradas e escadas destruídas



predio-abandonado-manaus_EEF1046B-617D-41D7-86DA-37D6644BAD54.JPG Foto: Winnetou Almeida
24/11/2018 às 03:00

Há décadas um prédio histórico localizado entre as ruas Simon Bolívar e Ferreira Pena, no Centro de Manaus, sediava debates com personalidades do Amazonas e foi um importante berço do conhecimento. O local, que também foi sede da Escola Superior da Magistratura do Amazonas, caiu no esquecimento dos governos. Hoje, seu acervo e estrutura vêm se deteriorando com a ação do tempo e falta de manutenção. 

Apesar de contar com segurança 24 horas por dia, o prédio sofre as consequências do abandono e descaso. Livros jurídicos estão jogados pelo chão, janelas quebradas e escadas destruídas. Do lado de fora, quem passa pela frente observa alguns indícios de abandono, mas não imagina o quão grave é a situação. Para o jornalista Miguel Pacheco, que mora no entorno do prédio histórico há mais de 20 anos, o descaso é um crime contra o conhecimento e a cultura do Amazonas.



“Esse prédio faz parte da nossa história. Abrigou por muitos anos a magistratura, era referência, tinha grandes encontros e debates. Era um local didático. Lá dentro tem livros de toda a natureza, principalmente jurídicos. Dentro, prédio está todo corroído. Todos os livros estão jogados pelo chão. Eles poderiam ser doados às faculdades, mas estão sendo destruídos lá dentro”, relatou. 

Pacheco disse ainda que o prédio poderia sediar alguma secretaria do Governo do Amazonas ou até mesmo ser reformado para ser utilizado como espaço cultural e ensino para crianças e jovens. “Parte da nossa história também está se acabando junto com esses livros e esse prédio. O governo gasta milhões com aluguéis de prédios. Eles poderiam reformar esse e usar ou até mesmo criar um espaço cultural aqui”, disse. 

A CRÍTICA teve acesso a imagens produzidas por Pacheco que comprovam a situação de abandono. Janelas quebradas, livros jogados e rasgados pelo chão e umidade são a realidade do prédio centenário. “É inaceitável que essa situação continue assim. É preciso uma atitude do Governo para salvar essa história”. Outros prédios históricos e centenários também sofrem com o descaso.


Muitos livros estão espalhados pelo chão se deteriorando a cada dia que passa. Foto: Divulgação/Miguel Pacheco

“Não é exclusivo desse prédio. O Centro de Manaus tem vários exemplos de prédios públicos e privados que estão se acabando e ninguém faz nada. Manaus seria uma referência para outras cidades se a gente tivesse esse cuidado com o nosso patrimônio”, opinou o estudante de Letras João Guilherme de Carvalho, que passava pelo local  quando a reportagem esteve ali.

Sem recursos para obra

Procurada pela reportagem, a Secretaria de Estado de Cultura, responsável pelo prédio, informou que realizou todos os levantamentos e o projeto básico para recuperação, reforma e restauro do prédio da Escola Superior da Magistratura do Amazonas, e que aguarda recursos para a execução.


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.