Quarta-feira, 18 de Setembro de 2019
Manaus

Prefeitura de Manaus estuda reforma de terminais de ônibus

Além da reforma, os terminais da Constantino Nery/Centro (T1) e Cachoeirinha (T2) deverão ser extintos, segundo o prefeito de Manaus Artur Virgílio.



1.jpg O terminal de Integração de Ônibus da Cidade Nova T3 deverá receber reforma
04/01/2013 às 21:15

Reforma nos banheiros, pintura, consertos na iluminação, entre outros ajustes serão realizados pela Prefeitura Municipal de Manaus (PMM) nos
terminais da Cidade Nova (T3), Jorge Teixeira (T4) e São José (T5). A notícia foi dada pelo prefeito Arthur Virgílio Neto, nesta sexta-feira
(4), durante o acompanhamento da ação tapa-buracos realizada no Terminal 3, localizado Avenida Noel Nuteles, Zona Norte.

Ainda de acordo com o prefeito, os terminais da Constantino Nery/Centro (T1) e Cachoeirinha (T2) deverão ser extintos. “Só manterei aquilo que funciona e os dois primeiros terminais estão esgotados”, destacou. Não existe um prazo definido para que o T1 e T2 sejam eliminados do sistema, mas a Prefeitura pretende concluir o projeto para o novo modelo do transporte coletivo de Manaus, que inclui mudanças nos corredores de ônibus, ainda no final do primeiro ano de mandato.

Ao lado do vice-prefeito e secretário de Infraestrutura Hissa Abrahão, Arthur foi recebido com muito entusiasmo pelos usuários do transporte coletivo. “É assim que eu gosto de ver o nosso prefeito, andando nas ruas e vendo de perto o que povo precisa”, disse a gari Francinete Costa, 57.

“O secretário de Infraestrutura fez um plano emergencial para esse período de chuvas com medidas paliativas que visem melhorar o trânsito nas
principais vias da cidade, mas tão logo a natureza dê uma trégua, iniciaremos as interdições definitivas”, frisou Arthur.

Quanto ao problema de descolamento de asfalto ocorrido no Terminal 3, o subsecretário de Serviços Básicos da Secretaria Municipal de Infraestrutura (Seminf), Alessandro Cohen, esclareceu que o problema se deve ao fato da estrutura do piso dos corredores dos ônibus estar  abaixo do nível da caixa de esgotamento. As águas empoçadas mais o tráfego de veículos pesados fazem com que o asfalto enfraqueça e  acabe se soltando. “Corrigimos temporariamente o problema para evitar transtornos aos usuários, mas, ao fim do plano emergencial, a meta é  fazer a elevação de todo piso, deixando-o nivelado ao sistema drenagem das águas da chuva”, concluiu.

Tapa-buracos até maio

Segundo o secretário de Infraestrutura, 60 toneladas de asfalto estão sendo usadas por dia em toda operação tapa-buracos, que deve continuar  até o final do mês de maio, quando se encerram o período de chuvas. “A recomendação da Prefeitura é que assim que começar o verão, a  Seminf inicie as obras de solução definitiva, como o recapeamento das vias”, destacou Hissa Abrahão.

Ainda de acordo com o secretário, além do Terminal 3, os bairros da Cidade de Deus e Monte Sião receberam as equipes de tapa-buracos nesta  sexta-feira. “As prioridades são as verdadeiras crateras que causam barreiras no trânsito de veículos”, pontuou.




Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.