Publicidade
Manaus
DESCONHECE

Prefeitura diz que não sabia sobre nova paralisação da frota de ônibus em Manaus

Segundo a Prefeitura, paliativamente, os microônibus do transporte alternativo, que normalmente atendem apenas a zona Leste, foram liberados para seguirem até o Centro 21/02/2017 às 09:17 - Atualizado em 21/02/2017 às 10:09
Show garagem
(Foto: Winnetou Almeida)
acritica.com Manaus (AM)

A Prefeitura de Manaus afirmou na manhã desta terça-feira (21), que não foi comunicada previamente sobre a paralisação de 30% da frota de ônibus que atinge a capital. Por meio de nota, o órgão informou que também desconhece autorização judicial para a realização da mesma. 

Segundo a Prefeitura, paliativamente, os microônibus do transporte alternativo, que normalmente atendem apenas a zona Leste, foram liberados para seguirem até o Centro. Por volta das 6h45, alguns veículos articulados foram liberados, após negociação do Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros do Estado do Amazonas (Sinetram) com os trabalhadores. Estão sendo priorizadas as linhas troncais, aquelas que vão ao Centro por meio dos principais corredores viários.

O órgão também informou que desde as primeiras horas da manhã fiscais de transporte da SMTU estão nas garagens e terminais de integração para acompanhar a operação das linhas de ônibus. Agentes do Instituto Municipal de Engenharia e Fiscalização de Trânsito (Manaustrans) também montaram postos de serviço na frente das principais empresas de ônibus para monitorar o tráfego nas vias.

Ainda conforme o Manaustrans, a atenção está redobrada na travessia de pedestres, que hoje circulam nas vias da cidade e nas áreas próximas das paradas de ônibus.

População prejudicada

O aposentado Gilson Nascimento, de 40, comentou que toda a sua família foi prejudicada pela paralisação da frota de ônibus na manhã desta terça-feira (21). Ele residente no Conjunto Habitacional Viver Melhor, localizada no bairro Santa Etelvina, Zona Norte de Manaus.

“Minha esposa saiu umas quatro horas da manhã, para o INSS, mas não tem como voltar para casa, porque não tem ônibus. Aqui no Viver Melhor já sofremos com o transporte público e com essa situação de greve ficamos totalmente isolados. Isso é uma falta de respeito”, disse.

Publicidade
Publicidade