Domingo, 08 de Dezembro de 2019
Manaus

Prefeitura e DPE assinam acordo para indenizar moradores removidos do igarapé do Mindu

Populares que moram perto do igarapé serão retirados do local para a construção de um corredor viário. O início das obras foi adiado diversas vezes pela insatisfação dos moradores com o valor das indenizações



1.jpg As obras irão se estender pelos bairros Jorge Teixeira e Novo Aleixo
23/10/2013 às 17:38

As obras do Programa de Recuperação Ambiental e Requalificação Social e Urbanística do Igarapé do Mindu, via de águas que corta a cidade de Manaus, avançaram mais uma etapa nesta terça-feira (22). A Defensoria Pública do Estado (DPE) interveio e fez acordo com a administração municipal para que os moradores que forem retirados do local recebam indenizações condizentes com o real valor dos imóveis.

Causa de desentendimento entre funcionários da Prefeitura e populares, as indenizações chegaram a ser oferecidas no valor considerado "irrisório" de R$ 700, conforme relatou o defensor público Carlos Alberto de Almeida Filho, da Especializada em Ações Coletivas. Um termo de ajustamento de conta (TAC) foi assinado entre ele, o procurador geral do município Marcos Cavalcanti e o prefeito Artur Neto.



“A obra não avançaria com o problema das indenizações. A população estava atemorizada. Havia ameaças feitas por funcionários da Prefeitura (para que moradores aceitassem as indenizações)”, disse Carlos Almeida Filho. Segundo ele, a DPE desde janeiro faz visitas aos moradores do local. “Estavam trabalhando nas vias ao lado das propriedades. E se destrói uma casa e fere uma criança? Não poderia haver qualquer obra enquanto não houvesse a remoção de cada trecho”.

Conforme o documento do TAC, a Prefeitura deverá fazer um cadastro dos moradores, efetuar as indenizações, removê-las do local e só então poderá ser iniciada a obra do Corredor Viário do Mindú, com intervenções sócio-ambientais, de engenharia, saneamento e urbanização. A obra faz parte dos planos do município desde 2007 e parte do corredor viário foi inaugurada em março deste ano.

Cerca de 3 mil famílias serão afetadas e deverão ser indenizadas. “O TAC assegura que as indenizações seguirão um padrão equivalente com o valor do imóvel, o que varia de acordo com a moradia, se está em área de preservação permanente (APP), se o morador tem o título da casa ou não, se o imóvel é de madeira ou alvenaria”, declarou o defensor. “Se não tivesse esse acordo, a DPE ia encontrar com ação civil pública e acabaria suspendendo as obras”, completa.

Corredor Viário

As obras do Programa de Recuperação Ambiental e Requalificação Social e Urbanística do Mindu deverão se estender do entroncamento da rua Itaeté com as avenidas Autaz Mirim e Brigadeiro Hilário Gurjão, no bairro Jorge Teixeira, até o limite do trecho no Parque Linear 2 com o Corredor Ecológico, culminando com a ponte que dá acesso à rua João Câmara, no bairro Novo Aleixo.

O processo de avaliação dos imóveis e estipulação das indenizações ficará a cargo da Unidade Executora do Programa de Infraestrutura Urbana e Ambiental de Manaus (UEP) e da Secretaria Municipal de Infraestrutura (Seminf), que montará um escritório no local para atender aos moradores, que também poderão receber atendimento da DPE na sede do órgão.


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.