Segunda-feira, 18 de Novembro de 2019
Manaus

Prefeiturável Marcelo Ramos flerta com PV, PDT e Rede

Ex-deputado do PSB que provocou o segundo turno da eleição para o governo, em 2014, articula migração para outra sigla



1.jpg Sem a visibilidade midiática proporcionada pelo mandato de deputado, Marcelo Ramos divulga em seu perfil no Facebook fotos de encontros com militantes da Rede
20/02/2015 às 21:42

Terceiro candidato mais votado na disputa pelo Governo do Estado em 2014, responsável por provocar o 2º turno entre José Melo (Pros) e Eduardo Braga (PMDB), o ex-deputado Marcelo Ramos (PSB) intensifica flertes com partidos que possam abrigar o projeto dele de ser candidato a prefeito de Manaus. 

Nas eleições de 2014, Marcelo Ramos obteve 179,6 mil votos em todo o Amazonas. Em Manaus, 17% do eleitorado que foi às urnas votou no ex-deputado. O desempenho o motiva a disputar o pleito de 2016, mas a direção do PSB não deu sinais de apoio a esse projeto, o que tem levado o político a buscar um novo abrigo.



Após retornar de 15 dias de férias com a família, nesta semana, Ramos se reuniu com representantes da Rede Sustentabilidade (sigla que a candidata Marina Silva (PSB) tenta registrar no Tribunal Superior Eleitoral), do PDT de Amazonino Mendes e do Partido Verde. O PV tem como presidente estadual a administradora Eliane Ferreira, recentemente alçada ao posto por determinação do presidente nacional da sigla, Luiz Penna. 

“Eu posso ir para a Rede Sustentabilidade, eu posso ir para o PV, posso ir para PDT, posso ficar no PSB, mas nessa etapa é mais importante discutir um projeto e unir forças, do que diminuir o debate que esta só iniciando para definir em que partido eu vou estar filiado”, disse Marcelo Ramos.

Segundo o ex-deputado, a sua candidatura à prefeito será construída “em torno de uma aliança de partidos e de setores da sociedade que querem um novo ciclo na política do Amazonas”. “A minha candidatura, ou seja, o partido que eu vou disputá-la, é um elemento. Estou conversando com alguns partidos e alguns setores da sociedade, com vereadores, ex-vereadores, com pessoas que possuem outros mandatos, com setores do empresariado”, explicou.

Nos bastidores, a informação é de que a ida de Marcelo Ramos para o PDT estaria condicionada à saída do ex-prefeito Amazonino Mendes da sigla. Amazonino, por sua vez, já estaria ensaiando deixar o PDT, onde está desde 2011, e se movimentando para retomar o PTB, sigla que perdeu para o agora ex-deputado federal Sabino Castelo Branco.

Marcelo Ramos, após concluir o mandato, também foi visto com o prefeito de Manaus, Artur Neto, numa casa de show da Zona Oeste de Manaus, e durante o Carnaval publicou em seu perfil no Facebook uma foto mais uma vez ao lado do prefeito, numa das bandas tradicionais da capital. Porém, questionado se pretende ser vice de Artur em 2016, o ex-deputado respondeu que “na política nada se confirma, nem se descarta”. 

'Circulando'

Ontem à tarde  o ex-deputado  Marcelo Ramos (PSB) se reuniu com a presidente  do PV no Amazonas, Eliane Ferreira. O encontro ocorreu numa peixaria da Zona Oeste de Manaus.

Eliane, que foi anunciada nesta semana como a nomeada pelo presidente nacional do Partido Verde (PV), José Luiz de França Penna, para presidir o PV no Amazonas, com o objetivo de estruturar o partido para as eleições municipais de 2016, classificou o encontro como “tranqüilo”. Ela assumiu o posto antes ocupado pelo ex-prefeito de Manacapuru Ângelus Figueira.

“Pelo que eu percebi ele (Marcelo Ramos) está circulando, conversando, e eu também. Na próxima semana pretendo me reunir com o prefeito de Manaus, Artur Neto, e também com o governador do Estado, o professor José Melo. E o Marcelo me deu uma ligada para saber se eu estava em Manaus e me convidou para almoçar e conversamos sobre projetos para a eleição de 2016”, contou Eliane, que dentro de 15 dias deverá ter um novo encontro com o ex-deputado.


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.