Quarta-feira, 19 de Junho de 2019
Manaus

Presidente da Super Liga das Escolas de Samba de Manaus renuncia ao cargo

A renúncia atende a uma determinação da Procuradoria - Geral do Estado, que emitiu parecer informando que o convênio entre o Estado e as agremiações do Grupo Especial só poderia ser firmado com a saída de Elimar Cunha



1.jpg O secretário da SEC não soube dizer se o atraso no repasse do recurso comprometerá a qualidade do Carnaval em Manaus este ano
17/01/2013 às 19:48

Atendendo a um parecer da Procuradoria-Geral do Estado (PGE), o presidente da Super Liga das Escolas de Samba, que agrega as oito escolas do Grupo Especial de Manaus, Elimar Cunha, renunciou ao cargo, na tarde desta quinta-feira (17/01), possibilitando que o convênio entre a Secretaria de Estado da Cultura (SEC) e as agremiações seja firmado. Dele depende o repasse de R$ 409 mil para cada escola que se apresentará na festa de Momo na capital amazonense, este ano.

“A PGE emitiu parecer informando que o convênio só poderia ser firmado com a Super Liga caso Elimar renunciasse a presidência, considerando que ele também preside a Associação do Grupo Especial das Escolas de Samba de Manaus (Ageesma) e que suas contas, tanto como entidade, quanto como pessoa física, foram rejeitadas (julgadas irregulares pelo TCE)”, informou o titular da SEC, Robério Braga.

A Liga tomou conhecimento do parecer, o qual coincide com o entendimento antigo que já havia sido manifestado à entidade e, nesta tarde, Elimar decidiu abrir mão do cargo, entregando sua renúncia à secretaria. “Mas, ainda falta a entrega de documentos para a assinatura (do convênio), como certidões, entre outros rotineiros para este tipo de assinatura”, explicou Robério.

De acordo com ele, as agremiações informaram que entregariam amanhã os documentos pendentes. O recurso, que ultrapassa os R$ 3 milhões, e a parcela relativa à operacionalização e execução da festa, foram autorizados pelo governador Omar Aziz em outubro do ano passado.

Questionado se o atraso no repasse não comprometeria a qualidade do Carnaval, em Manaus, o terceiro maior do País, Robério preferiu não se antecipar, mas alertou que “não é o governo que está retardando os recursos, são as próprias escolas”. Ele afirma que, preenchidas as formalidades legais, não haverá retenção.

A equipe de acritica.com tentou por diversas vezes contato com Elimar Cunha, pelo número 91**-** 40, para informações sobre quem assumirá a entidade daqui para frente, mas não obteve sucesso. Em entrevista recente ao jornal A Crítica, ele informou, no entanto, que as pendências da Ageesma já foram sanadas junto ao Tribunal de Contas do Estado do Amazonas (TCE-AM).

Saiba mais

Em janeiro deste ano, a SEC informou, via assessoria, que o repasse de verba para o Carnaval 2013 ao Grupo Especial das Escolas de Samba de Manaus, estava impedido de ser realizado por determinação da PGE, uma vez que a Associação do Grupo Especial das Escolas de Samba de Manaus (Ageesma) teve as contas de 2006 e 2012 julgadas irregulares segundo o Tribunal de Contas do Estado (TCE), impossibilitando-a de firmar convênio com órgãos públicos. A verba prevista para este ano é de R$ 4,6 milhões.


Receba Novidades


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.