Sexta-feira, 19 de Abril de 2019
publicidade
seap_714C040C-B7AA-482C-8912-B87DCB06D121.JPG
publicidade
publicidade

REFORÇO

Presídio CDPM 2 recebe sensores sísmicos para prevenir fugas, diz Seap

A unidade prisional é a primeira do Brasil a receber o sistema, segundo a Secretaria de Estado de Administração Penitenciária


11/04/2019 às 13:49

O Centro de Detenção Provisória Masculino 2 de Manaus é a primeira unidade prisional do Brasil a utilizar sensores sísmicos para prevenir fugas de internos, segundo a Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap) do Amazonas.

Instalados em áreas estratégicas da unidade, os novos equipamentos são capazes de detectar abalos do solo e paredes em tentativas de escavações de túneis e violações das grades de proteção.

O projeto está sendo implementado por pavilhões e é uma iniciativa da Embrasil Serviços, empresa responsável pela cogestão da unidade, em parceria com a Seap.

Os sensores estão interligados ao Circuito Fechado de TV e são capazes de captar pequenos impactos nas estruturas das celas, disparando um alerta para a gestão da unidade. “As pequenas batidas no solo ou na laje serão imediatamente identificadas, aumentando em muito o tempo de ação para se evitar danos patrimoniais e fugas de internos”, destaca Raimundo Aroldo Lucas de Macedo, diretor do CDPM 2.

“A tecnologia oferece recursos importantes para aumentar a segurança nas unidades prisionais. Já fomos a primeira unidade prisional do Brasil a usar os drones para vistorias por imagem e calor e agora inovamos com os sensores sísmicos. Quanto mais recursos tecnológicos, mais segurança promovemos”, completa o diretor.

publicidade
publicidade
Presidiários do Amazonas começam a ser vacinados contra a gripe H1N1
TV, celular e parafusos são apreendidos em presídio de Manaus durante revista
publicidade
publicidade
publicidade
publicidade

publicidade
publicidade

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.