Publicidade
Manaus
CONTRA A CORRUPÇÃO

Pressão ao STF em Manaus: manifestações pedem a prisão do ex-presidente Lula

Manifestos estão marcados para as 16h (concentração), na avenida André Araújo, e às 18h, na avenida Djalma Batista. STF deve julgar amanhã (4) habeas corpus do ex-presidente, condenado no caso do triplex no Guarujá 03/04/2018 às 09:10 - Atualizado em 03/04/2018 às 09:15
Show nasruas
Foto: Reprodução/Internet
Vitor Gavirati Manaus (AM)

Matéria atualizada às 8h50 do dia 03/04 para incluir unificação de movimentos MBA, Maçons-AM e Amazonas em Ação. E o ato do movimento Direita Amazonas.

Dois endereços receberão hoje, em Manaus, atos pedindo a prisão do ex-presidente Luiz inácio Lula da Silva. Amanhã, quarta-feira (4), o plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) deve julgar o habeas corpus preventivo com o qual Lula quer evitar sua prisão após condenação pela segunda instância da Justiça Federal no caso do tríplex do Guarujá (SP).

Os movimentos Amazonas em Ação, Bolsonaro Amazonas e Maçons-AM unificaram seus protestos em uma grande manifestação, com concentração a partir de 16h na frente do prédio do Ministério Público (avenida André Araújo). Às 17h, no mesmo local, juntam-se a eles os integrantes do Direita Amazonas, que convocaram o ato "Contra uma Suprema Corte acovardada". O movimento Vem Pra Rua Amazonas vai realizar uma manifestação contra a concessão do habeas corpus do petista às 18h, em frente ao Amazonas Shopping, na avenida Djalma Batista, bairro Chapada, Zona Centro-Sul.

Ato unificado

O Maçons-AM, que faria uma menifestação 11h, em frente ao prédio da Justiça Federal do Amazonas, na avenida André Araújo, uniu forças aos movimentos Amazonas em Ação e Bolsonaro Amazonas e cancelou o protesto da manhã. Agora, os três grupos estarão juntos protestando contra a impunidade e corrupção, a partir das 16h, na frente do MPF (também na avenida André Araújo). O ato terá como mote o apoio à Operação Lava Jato, da Polícia Federal, onde Lula foi investigado.

Segundo Auguto Sales, um dos coordenadores do Maçons-AM, a expectativa é reunir três mil pessoas. O movimento Direita Amazonas (DAM) reforçará a adesão, pois convocou protesto para o mesmo local, às 17h. Na página do evento do DAM "Dia Nacional Pela Justiça: Contra uma Suprema Corte acovardada" no facebook, 500 pessoas já manfestaram interesse em participar.  

Iza Oliveira, do Amazonas em Ação, diz que o protesto de hoje representa a continuação dos inúmeros protestos que aconteceram no país e que culminaram no impeachmeant da ex-presidente Dilma Rousseff:  "Mas esse tem como principal objetivo a pressão nos ministros para que não livrem Lula de ser preso. O povo brasileiro espera coerência, ética e a moralidade do Brasil". 
 

'Chega de impunidade'

“Nós brasileiros não suportamos mais a impunidade da classe política brasileira. Nós nos posicionamos contrários a não condenação em segunda instância, juntamente com a revisão da jurisprudência do cumprimento da pena em segunda instância”, diz trecho da nota em que os lideres do Vem Pra Rua Amazonas convocam a população para participar do ato das 18h.

A questão de fundo a ser discutida pelo plenário do Supremo será a possibilidade de execução provisória de pena por condenado em segunda instância, mesmo que ainda existam recursos contra a condenação pendentes de análise em tribunais superiores, como o Superior Tribunal de Justiça (STJ) ou o próprio STF.

O Vem Pra Rua Amazonas afirma que, caso o habeas corpus do petista não seja negado, a Justiça brasileira será colocada em risco.

“Caso isso ocorra, tal julgamento no dia 04, colocará, em risco a jurisprudência vigente no país, colocando milhares de condenados em segunda instância para cumprir pena somente após o trânsito julgado”, diz trecho da nota que finaliza dizendo que o ato é em pedido “por um país livre e com segurança jurídica estável”. A expectativa dos organizadores do ato é contar com a presença de 300 pessoas.

Publicidade
Publicidade