Domingo, 21 de Abril de 2019
publicidade
antcrz_abr_1912189090_48ECDD3B-1812-4013-8EC4-2CAE437B76A5.jpg
publicidade
publicidade

‘FORA TEMER’

Prestes a deixar governo, presidente diz que sentirá falta das manifestações ‘Fora Temer’

A declaração foi dada na última reunião com a equipe ministerial, na qual cumprimentou cada assessor e destacou ações do governo


19/12/2018 às 12:16

Prestes a deixar governo, o presidente Michel Temer disse hoje (19) que sentirá falta das manifestações “Fora, Temer”, direcionadas a ele desde que assumiu o Palácio do Planalto, em maio de 2016, após o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff. A declaração foi dada na última reunião com a equipe ministerial, na qual cumprimentou cada assessor e destacou habilidades.

“Havia manifestações no início do nosso governo, uma manifestação política, que eu até vou sentir muita falta, do 'Fora, Temer'. Mas eram manifestações políticas, que quando falavam 'Fora, Temer' é porque eu estava dentro”, disse o presidente, provocando risadas entre os presentes.

Segundo Temer, a situação a partir de janeiro, quando vai assumir um novo presidente, será outra. “Agora, estarei fora mesmo. Mas levou tempo, levou dois anos e meio. Levou dois anos e oito meses não só com protesto de natureza política, mas com empenho extraordinário de parte da imprensa que tentou nos derrubar”, acrescentou o presidente, informando que apesar de enfrentar protestos, o governo dele seguiu “adiante amparado” pelo trabalho.

Popularidade

Temer destacou a pesquisa de opinião realizada por uma consultoria que aponta que ele deixa o governo com a aprovação do mercado. “Há uma dissonância em termos de popularidade, mas quando o mercado assim age em brevíssimo tempo isso chegará ao ouvido de todos", disse.

O presidente disse que com o tempo “se formulará a verdade” e haverá um reconhecimento do governo dele. “O reconhecimento é diferente do conhecimento. Você se torna conhecido, mas não é reconhecido. Somos conhecidos, mas já começa um certo reconhecimento.”

Previdência

Depois de ressaltar o trabalho de todos os ministros em suas respectivas pastas, mais uma vez, Temer destacou a aprovação da reforma trabalhista no governo dele e disse que só não teve êxito na da Previdência por ter sido “vítima” de uma “trama” cujos “detratores acabaram presos”.

Ainda sobre a reforma da Previdência, Temer disse ter certeza de que a matéria será aprovada durante a gestão do presidente eleito, Jair Bolsonaro. “Não tenho a menor dúvida de que será feita”, afirmou.

Avaliação

Na última reunião com ministros, Temer lembrou que ao assumir o governo, em maio de 2016, a inflação estava em alta e o PIB negativo. Também ressaltou que enfrentou apenas uma grande greve nesse período de governo, a dos caminhoneiros. Não citou números nem dados estatísticos, preferiu um tom mais sentimental, em que agradeceu os ministros e destacou virtudes.

Antes de se despedir e finalizar a reunião, o presidente disse que iria “até mandar servir um café [aos ministros] para mostrar que o café está quente ainda. Sem café também é demais”. O comentário é uma alusão à expressão "servir café frio" que costuma ser associada ao fim de ciclos.

publicidade
publicidade
Ex-deputado Hissa Abrahão é eleito presidente do diretório regional do PDT
'Quem ganha mais pagará mais', diz Bolsonaro sobre reforma da Previdência
publicidade
publicidade
publicidade
publicidade

publicidade
publicidade

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.