Publicidade
Manaus
ÁREA URBANA

Problema de queimadas deve voltar a colocar Manaus em risco durante trimestre mais seco

No período de janeiro a junho deste ano, a Semmas recebeu 125 denúncias de focos de queimadas e antecipou, no dia 3 de junho, a campanha de Combate às Queimadas 2017 11/07/2017 às 07:53
Show queimnadas
O maior problema com relação às queimadas urbanas ainda é a falta de conscientização da população (Foto: Márcio Silva)
Álik Menezes Manaus

A falta de conscientização com relação às queimadas urbanas continua sendo o grande desafio em capitais como Manaus, principalmente em período de verão. A afirmação é da perita ambiental da Polícia Civil e engenheira florestal Laura Bernardes. 

No período de janeiro a junho deste ano, a Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semmas) recebeu 125 denúncias de focos de queimadas e antecipou, no dia 3 de junho, a campanha de Combate às Queimadas 2017. 

Para Laura, o maior problema com relação às queimadas urbanas ainda é a falta de conscientização da população. Segundo a engenheira, muitas pessoas moravam em interiores e ainda mantém o costume de queimar  lixo no quintal de suas casas, sem, às vezes, ter noção do que estão causando ao meio ambiente. 

 “Muitas vezes nas cidades do interior as pessoas não tem coleta de lixo adequada e acabam queimando o lixo no próprio terreno. Quando essas pessoas se mudam para cidades maiores, elas infelizmente continuam com esse hábito. É importante orientar cada vez mais para que elas entendam que não é correto e abandonem esse costume”, disse. 

De acordo com Laura, é importante a punição, mas também necessário que os infratores sejam orientados antes do caso ser levado à esfera criminal porque, em alguns casos mais específicos, os infratores podem não saber a real dimensão mal que estão causando a sociedade. “A conscientização é o primeiro passo, depois se notifica e, caso ele insista, aí sim deve ser levado para a esfera criminal”, apontou. 

Sistema integrado
A engenheira ambiental também defendeu que os órgãos ambientais deveriam atuar em um sistema integrado para que fortalecer as ações e coibir novos danos ao meio ambiente. “Seria muito mais funcional. Às vezes você vai atender uma ocorrência e precisa pedir dados do Ipaam (Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas) e da Semmas (Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Sustentabilidade), se trabalhássemos com um sistema integrado o trabalho de todos os envolvidos seria mais eficiente”, disse. 

De acordo com a perita, em casos de comprovação de crime ambiental as informações são encaminhadas à Delegacia Especializada em Crimes contra o Meio Ambiente (DEMA). 

Semmas faz campanha 
A Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semmas) informou que esse ano 125 denúncias de queimadas urbanas foram registradas e as ações estão em curso com equipes indo nos locais, notificando e multando. 

Publicidade
Publicidade