Publicidade
Manaus
Manaus

Problemas em sistema atrasam entrega do resultado do ‘teste do pezinho’ na rede pública

Usuários relatam demora na entrega dos resultados de exame fundamental para identificar patologias de maneira precoce nos recém-nascidos 19/02/2016 às 11:22
Show 1
Entre outras razões, gargalo ocorre porque, apesar da coleta para o teste ser feita todas as maternidades, só o Hemoam analisa as amostras
Kelly Melo ---

A dona de casa Myliam Costa de Serrão, 18, precisou esperar três meses para receber o resultado do exame do pezinho da filha dela, que deveria ter sido entreguem após 40 dias da coleta.

O exame foi coletado na maternidade Azilda Marreiro, no Nova Cidade, na Zona Norte, em novembro do ano passado, mas a mãe da pequena Manuela só conseguiu obter o resultado na semana passada.

“Fui atrás umas cinco vezes e lá no hospital só diziam que eu tinha que aguardar porque o resultado demora mesmo. Só que o prazo é de 40 dias e passaram três meses e nada. Isso me deixou angustiada”, relatou ela, que estava com medo de os exames do bebê terem apresentado alguma alteração.

Assim como Myliam, outras mães ficaram todo esse tempo no aguardando o resultado. O problema é que a coleta do teste do pezinho é feita em todas as maternidades, Centro de Atenção Integral à Criança, e Centro de Referência de Manaus e do interior, mas só a Fundação de Hematologia e Hemoterapia do Amazonas (Hemoam) realiza o procedimento.

Novo sistema

No entanto, no fim do ano passado, uma mudança no sistema que cadastra todos os exames coletados no estado fez com que os procedimentos ficassem “atolados”.

“Antes o teste identificava apenas duas doenças, mas agora são seis. O sistema precisou ser modificado para comportar os dados, mas ele não estava reconhecendo as informações. Então precisamos fazer tudo manualmente”, explicou a gerente de triagem e neonatal do Hemoam, Lecita Marreiro.

Segundo Marreiro, o problema já foi resolvido até o fim do  mês todos os exames que foram realizados em novembro e dezembro de 2015 vão ser entregues.

“Infelizmente tivemos esse problema, mas é importante ressaltar que para os casos que apresentaram alguma alteração, imediatamente, nós convocamos os pais para repetir o exame do bebê”, ressaltou a gerente, ao explicar que os laudos precisaram ser feitos manualmente nesse período.

Demanda

Por mês, de acordo com informações do gerente do setor neonatal, aproximadamente 4,5 mil atendimentos do teste do pezinho são realizados pelo Hemoam.

No entanto, como cada amostra é utilizada para a detecção de seis doenças, sobe para 27 mil o número exames produzidos pela fundação. “Nossa demanda é muito grande e como tivemos essa falha no sistema, precisamos montar uma força-tarefa para cadastrar os exames”, disse.

Publicidade
Publicidade