Publicidade
Manaus
REAJUSTE

Professores da rede municipal de Manaus protestam por reajuste salarial de 10%

Segundo dirigentes do Asprom-Sindical, foi apresentada à Semed uma pauta com 20 reivindicações, mas nenhuma foi atendida 03/05/2018 às 10:34 - Atualizado em 03/05/2018 às 14:23
Show a2e533d2 856e 441b b0ad d36403f810eb
Foto: Euzivaldo Queiroz
Amanda Guimarães Manaus (AM)

Professores da rede municipal de ensino de Manaus realizaram na manhã desta quinta-feira (3) uma manifestação em frente à sede da Secretaria Municipal de Educação (Semed), na avenida Maceió, bairro Adrianópolis, na Zona Centro-Sul da capital. Eles reivindicam reajuste salarial de 10%, além de outras pautas.

O ato em frente à sede da secretaria começou por volta das 7h. O grupo chegou a interditar a via por alguns minutos, mas logo após foi liberada. Agentes do Instituto Municipal de Engenharia e Fiscalização de Trânsito (Manaustrans) e da Polícia Militar do Estado do Amazonas (PMAM) acompanharam a manifestação, considerada pacífica.

Um dos dirigentes do Sindicato de Professores e Pedagogos de Manaus (Asprom-Sindical), Ivan Nascimento, afirmou que a categoria apresentou para a Semed uma pauta com 20 reivindicações, mas que nenhuma foi atendida. Para chamar atenção das autoridades e da própria secretaria, eles decidiram fazer o ato desta quinta (3).

“Ano passado não tivemos reajuste. Em 2016 tivemos, mas os valores foram parcelados. Este ano o prefeito aprovou o reajuste de 3%, mas queremos de 10%. Sabemos que houve um aumento de 40% no repasse do Fundeb, mas os salários dos professores não tiveram alteração. O reajuste que queremos não é inalcançável”, disse Ivan.

O representante da Asprom-Sindical também destacou que uma comissão de professores foi chamada para uma conversa na Semed. “Depois de muito batalhar aqui na frente na secretaria, a nossa comissão foi chamada. Agora estamos esperando eles voltarem, para decidimos o que será feito nos próximos dias. Não descartamos greves ou paralisações”, completou.

Outra reivindicação do grupo é o aumento de 100% no ticket-alimentação. “Estamos com o nosso ticket parado há mais de 10 anos. Protocolamos as nossas pautas. O Prefeito precisa ter mais atenção com a saúde municipal”, finalizou o sindicalista.

Semed responde

Por meio de nota, a Semed informou que a secretária Kátia Schweickardt e outros servidores receberam nesta quinta-feira (3) de uma comissão de representantes do Asprom-Sindical uma pauta de reivindicações.

Conforme a Semed, os pleitos da categoria serão analisadas conjuntamente com a Secretaria Municipal de Finanças (Semef), para avaliar o impacto financeiro dos mesmos no orçamento da prefeitura, ficando marcada para o dia 15 de maio uma nova reunião para continuar às tratativas.

A Semed também relatou que de 2013 a 2016, foram concedidos reajustes salariais de mais de 44% para os professores, além de aumento nos vales alimentação e transporte, mesmo com as dificuldades financeiras vivenciadas pelo município por conta da crise econômica de 2016.

Ainda o órgão completou que no final de 2017, foi aprovado o reajuste da data-base 2017/2018, sendo pagos 4,57% em janeiro e 3% agora em maio e também aprovado o reajuste em 15% da prática docente para o professor que atua exclusivamente em sala da aula.  

Publicidade
Publicidade