Terça-feira, 21 de Maio de 2019
IMPASSE

Professores rejeitam proposta da Semed, mas greve está descartada

Profissionais da rede municipal querem 15% de reajuste, assim como os colegas da rede estadual, mas Semed oferece 5%. Campanha salarial vai até maio



profs_7439B710-414A-499B-B218-A6B7C7489E94.JPG
Foto: Antônio Lima
09/05/2019 às 21:45

Centenas de trabalhadores da rede municipal de ensino se reuniram em uma assembleia geral na tarde desta quinta-feira (9) para definir as propostas discutidas sobre o plano de cargos e carreiras da categoria. Um novo encontro, só deve acontecer após uma reunião com representantes da Secretaria Municipal de Educação (Semed) prevista para a próxima quarta-feira (15).

No encontro, que aconteceu no auditório do Sindicato dos Urbanitários, no Cachoeirinha, Zona Sul de Manaus, os professores debateram a situação da categoria em várias zonas da cidade e reafirmaram não aceitar a ultima proposta apresentada pela Semed, de reajuste de 5% no salário e 20% no auxilio alimentação. A categoria reivindica 15% de reajuste, assim como os professores da Rede Estadual de educação, que estão em greve.

Uma das representantes do Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Estado do Amazonas (Sinteam), Vanessa Antunes, disse que ainda é cedo para indicar greve e que a categoria está em negociação com a Semed.

“A gente vai aguardar uma nova contraproposta da Prefeitura até a próxima quarta-feira, porque a Prefeitura está fazendo uma nova analise dos números. Depois do próximo encontro a gente convoca novamente uma assembleia para mostrar o que foi apresentando na nova proposta. É preciso ressaltar que a nossa campanha salarial encerra no final de maio, temos todo esse período para discutir e negociar essa situação. Por isso é cedo para dizer se vamos ou não fazer greve, pois ainda estamos nesse prazo”, afirmou.

Repórter de A Crítica

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.