Publicidade
Manaus
QUESTÃO AMBIENTAL

Projeto quer eliminar uso de canudinhos de plástico em estabelecimentos de Manaus

Matéria consta na pauta da CMM e prevê a restrição em lanches e restaurantes da utilização de canudinhos de plástico 18/10/2018 às 01:54 - Atualizado em 18/10/2018 às 08:47
Show canudo 22c53b43 b04b 4715 85d4 7d9896e42b48
Foto: Reprodução/Internet
Náis Campos Manaus (AM)

Há dez dias do segundo turno das eleições presidenciais e do governo do Estado, a Câmara Municipal de Manaus voltou a discutir, ontem, projeto que proíbe da utilização e fornecimento de canudos plásticos e possíveis mudanças que deveriam ser promovidas na CMM no processo legislativo. Na discussão, o vereador Chico Preto (PMN) defendeu a realização de debate prévio, nos seios das comissões técnicas, sobre os temas diversos a serem votados pelos parlamentares.

Uma dessas discussões, que segundo Chico deveria ser debatida primeiramente com a sociedade, é sobre a proibição do uso de canudinhos que contribui significativamente para a poluição do meio ambiente em razão da composição do material plástico do produto.

“Segmentos que defendem os direitos das pessoas com deficiência me procuraram buscando debater, emitir opiniões sobre o projeto de lei que está em tramitação na Casa e que busca a proibição do uso de canudos plásticos. Lembrando que a ideia do canudo foi concebida a partir da carência de pessoas que não têm mobilidade nos membros superiores ingerirem alimentos líquidos”, mencionou Chico.

O PL 171/2018 é de autoria da vereadora Joana D’Arc (PR), eleita deputada estadual,  que, além da defesa dos animais, também busca soluções para o equilíbrio do meio ambiente. “Meu mandato é compartilhado e desejo trazer esse assunto ao debate”, garantiu a parlamentar.

Sobre as discussões prévias da proibição dos canudinhos, Chico Preto salienta que o debate se faz necessário para a obtenção de respostas, como os prejuízos que essa lei pode trazer; se o canudo pode ser substituído por outro produto e se um deficiente terá que levar o seu canudo de casa todas às vezes que sair. “Esse é o tipo de debate que a Câmara precisa realizar dando voz às opiniões e visões da sociedade que a cada vez mais se organiza”, avalia.

Debate prévio

Ainda conforme o vereador, o debate prévio, antes da votação, deveria ser uma regra, e não uma exceção. Ele garante que, após a aprovação de um requerimento, a tramitação óbvia nas comissões deveria ser precedida por debates com os atores de interesses do projeto de lei. “Esses projetos específicos não podem vir para primeira e segunda discussões, em plenário, sem que antes nas comissões tenham sofrido o debate proposto”, justificou Chico Preto.

Na defesa de sua proposta, Joana D’Arc sustentou que a matéria pretende ser um instrumento de preservação do meio ambiente, até porque para a parlamentar, o produto é aparentemente inofensivo, mas o "canudinho virou outra praga ambiental”.

“No mundo inteiro, diversas campanhas já vêm sendo feitas para conscientizar a população e os donos de estabelecimentos comerciais a respeito do problema ambiental causado pelos canudos de plástico”, defende.

Lei semelhante foi aprovada no Rio de Janeiro, em  julho,  sendo  a primeira metrópole brasileira a adotar essa medida.

Em números

R$ 4,7 milhões é o valor pago pela prefeitura para a  empresa Trairi Comércio de Derivados de Petróleo  para atender aos serviços de coleta de lixo nas margens dos rios e igarapés de Manaus.

Blog

Joana D’Arc, vereadora e deputada estadual eleita:

Aparentemente  inofensivo, o “canudinho” virou uma praga ambienteal. Só nos Estados Unidos, são usados 500 milhões de canudos plásticos por dia e no Reino Unido, mais 100 milhões. E assim como outros resíduos, eles acabam desaguando nos rios, lagos, igarapés e ingeridos por animais, que morrem vítimas de sufocamento. Feito geralmente de poliestireno ou polipropileno, o canudinho pode ser reciclado, mas como é muito pequeno e leve, assim como tampas de garrafa, por exemplo, frequentemente é jogado no lixo. Sua vida útil é estimada em 4 minutos. Isso mesmo, 4 minutos! E ele leva aproximadamente 400 anos para se decompor na natureza. A presente proposição pretende ser um instrumento de preservação do meio ambiente, buscando  conscientizar a população sobre os riscos desse produto, os canudos de plástico”.

Publicidade
Publicidade