Publicidade
Manaus
SAÚDE PÚBLICA

Projeto Regula+Brasil do Ministério da Saúde busca reduzir filas do SUS em Manaus

Já em prática no interior do Rio Grande do Sul, o programa funciona como um agente regulador entre o atendimento na atenção básica e o encaminhamento para a média e alta complexidade 03/07/2018 às 18:05
Show fila sus
Foto: Reprodução/Internet
acritica.com Manaus (AM)

Com o objetivo de reduzir as filas de atendimento no Sistema Único de Saúde (SUS), o Ministério da Saúde lançou o projeto Regula+Brasil para Manaus, outras três capitais brasileiras e o Distrito Federal. A iniciativa vai permitir a expansão do programa Telessaúde Brasil Redes, com foco na teleregulação.

Já em prática no interior do Rio Grande do Sul, o programa funciona como um agente regulador entre o atendimento na atenção básica e o encaminhamento para a média e alta complexidade. No estado, após 20 meses de execução do projeto, foi possível reduzir o número de pacientes em fila de espera em 50%, e o tempo na fila caiu em 60%, com a consequente melhoria na qualidade dos encaminhamentos.

Por meio da iniciativa, o paciente que necessita do encaminhamento especializado passa de imediato por uma avaliação feita por uma equipe de médicos, que integram o núcleo remoto de regulação proposto no projeto. Esses profissionais de forma integrada a uma rede de Telemedicina avaliam com bases em protocolos o caso do paciente com o objetivo de acelerar o processo de direcionamento aos ambulatórios especializados. Os profissionais já indicam a prioridade do caso dentro de uma escala que vai de um a quatro de acordo com a gravidade.

A medida vai permitir solucionar as filas de espera. “Estima-se que o atendimento na atenção básica resolva 80% dos problemas de saúde da população, ou seja, o projeto Regula+Brasil é mais uma ferramenta de qualificação para o sistema que busca incentivar o aprimoramento e os melhores resultados em saúde no SUS”, avaliou o ministro da Saúde, Gilberto Occhi.

O programa permite, também, que os médicos do núcleo remoto de regulação, em caso de dúvidas sobre o encaminhamento do paciente, entrem em contato com o profissional da Unidade Básica de Saúde (UBS) para rediscutir o caso. Com isso, o sistema evita que o paciente seja encaminhado de forma desnecessária a especialistas, o que contribui para reduzir filas de espera no atendimento. 

Além do Distrito Federal, as capitais Porto Alegre, Belo Horizonte, Manaus e Maceió vão começar a contar com essa iniciativa.  O projeto é mais uma ação do Programa de Apoio ao Desenvolvimento Institucional do Sistema Único de Saúde (Proadi-SUS) do Ministério da Saúde, desenvolvido pelo Hospital Sírio-Libanês em parceria com a Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) e a Prefeitura de Porto Alegre. Os investimentos são da ordem de R$ 37 milhões por meio de isenção fiscal provenientes do Proadi.

Publicidade
Publicidade