Publicidade
Manaus
Manaus

Projeto ‘Rios Voadores’ capacita professores da rede estadual e municipal de Manaus

Programa Petrobras Socioambiental trouxe Gérard Moss para preparar os docentes sobre a importância da floresta em pé 15/05/2015 às 11:28
Show 1
Gérard Moss lembrou que a floresta tem maior poder de ‘renovação’ que o mar
Oswaldo Neto ---

Mais de 200 professores das disciplinas de ciências e geografia da rede pública estadual e municipal de educação foram capacitados para inovarem em sala de aula. Por meio do projeto “Rios Voadores”, os profissionais poderão lançar aos alunos um novo olhar sobre o ciclo da água, atraindo a atenção de jovens para o assunto, o qual tem a intenção de reafirmar a importância da floresta amazônica dentro do contexto ambiental.

Segundo a Secretaria de Estado de Educação (Seduc), aproximadamente 230 professores de sete zonas participaram das oficinas de capacitação, que aconteceram nos dias 13 e 14 de maio nos Centros de Educação em Tempo Integral (CETIs) Gilberto Mestrinho e Elisa Bessa Freire.

De acordo com a chefe da coordenação de Educação Ambiental da Seduc, Telma de Oliveira, a novidade irá gerar um conhecimento a mais aos educadores do Estado. “A ideia é que tenhamos os nossos professores como multiplicadores desse assunto, até chegar aos nossos alunos, tanto por projetos que estamos criando quanto pelos que já existem”, afirmou.

Por meio da iniciativa, criada pelo Programa Petrobras Socioambiental, a Secretaria estima que 6 mil alunos tenham conhecimento sobre a existência dos rios voadores nos céus da Amazônia. Para ela, o projeto dá início a parcerias mais próximas. “Eles trazem uma nova forma de se olhar o ciclo da água. É mais uma forma de atrativo diferente em relação a isso”.

Nova percepção

Professor na Escola Estadual Ernesto Penafort, localizada no São José 2, Zona Leste, Heliandro Rodrigues Gomes, 44, leciona a disciplina de Geografia a alunos de ensino médio. Ele foi um dos participantes do segundo dia de oficinas no CETI Elisa Bessa e avaliou o evento positivamente. “É uma percepção e uma coisa muito mais complexa do que se imagina, pois toda a água que circula no planeta é referente às questões climáticas”, pontuou.

Sobre a inclusão do tema em sala de aula, Heliandro afirma que os conhecimentos obtidos através do projeto não devem demorar para entrar em prática. “Nesse terceiro trimestre irei trabalhar sobre clima em sala de aula com eles. Pretendo aproveitar tudo aqui e já incluir nas aulas”, contou.

Blog: Heliandro Gomes, professor de Geografia

 “É uma percepção nova, muito mais complexa do que se imagina. Toda a água que circula no planeta é referente às questões climáticas. A floresta tem a sua parcela de contribuição pela sua imensidão e exuberância, tendo um grau mundial. A ideia que a Amazônia é um patrimônio mundial não é simplesmente pela floresta, mas pela questão da água. Sabe-se que, no futuro, a guerra não será pelo petróleo, mas sim pela água. Dentro dessa ideia, esse nome (rios voadores) é muito interessante... Realmente chama a atenção e ‘pega’. Essa preocupação deve ser levada aos alunos e vai ter uma contribuição muito grande na sala de aula. A nova geração são esses jovens, e tratar desses temas delicados de serem discutidos com uma linguagem mais atual e dinâmica atrai a atenção não só deles, mas de todos”.

Coari, Carauari e Tefé na lista

Além de Manaus, as cidades de Coari, Carauari e Tefé irão receber a capacitação por meio do projeto Rios Voadores. O projeto integra o Programa Petrobras Socioambiental desde 2007.

Segundo a Petrobras, as pesquisas começaram por ocasião de uma expedição aérea comandada por Gérard Moss, a bordo de um monomotor, para estudar como o desmatamento da Floresta Amazônica poderia afetar o clima no Brasil e alterar o ciclo das chuvas no País, principalmente nas regiões Sul e Sudeste.

“A floresta tem uma capacidade muito superior à do mar para devolver umidade à atmosfera. Uma árvore pode capturar até mil litros de água por dia. É máquina fantástica de bombeamento hídrico. A derrubada das árvores acarreta menos chuvas”, explicou Gérard Moss. 

Publicidade
Publicidade