Quarta-feira, 24 de Abril de 2019
publicidade
1.gif
publicidade
publicidade

Manaus

Prosamim: Após derrubada de casas, moradores sofrem com insegurança e desrespeito

Com a derrubada das casas nas margens do igarapé São Raimundo, área ficou esquecida e virou alvo fácil para ladrões


17/04/2013 às 07:27

A chegada do Programa Social e Ambiental dos Igarapés de Manaus (Prosamim) mudou bem mais que o cenário composto por um amontoado de palafitas no final do beco Normando, bairro da Glória, Zona Oeste. Também mudou a vida dos moradores que ainda estão em suas casas à espera da indenização. A derrubada de mais de 70% dos barracos que ficavam naquele trecho do igarapé do São Raimundo atraiu saqueadores, vândalos, consumidores de drogas e descuidistas de outras áreas da cidade, aumentando o nível de insegurança que já existia na área.

“O que mais assusta a gente é que, antes os moradores conheciam os viciados e assaltantes da área. Agora, é gente desconhecida, que vem de outros bairros para praticar furtos durante a madrugada”, relatou uma moradora, que não quis se identificar.

Com a derrubada das casas, a área ficou praticamente sem iluminação e, durante a noite, saqueadores aproveitam a escuridão para furtar tudo que restou das casas que não foram totalmente demolidas. Não escapa nem a fiação elétrica da rede pública.


publicidade

“Quando as equipes do Prosamim saem, entram os vândalos. A gente passa a madrugada ouvindo barulho de gente retirando tudo que pode do que restou. Ficam quebrando telhas, tirando fios, madeira, tudo. São pessoas que vêm de outros bairros. Sem falar na bebedeira e no consumo de droga”, relata a técnica de enfermagem Nívea Maria Oliveira.

Ninguém assume a autoria dos crimes, mas há a denúncia de que muita baderna também é feita por moradores da própria área, que receberam os R$ 6 mil referentes ao bônus (indenização a quem era inquilino). Algumas pessoas estariam gastando o dinheiro em “bebedeiras” nas proximidades.

A dona de casa Valdeíza Araújo Lima, 43, cujo casebre ficou solitário no meio dos escombros, não vê a hora de ser chamada pela Superintendência de Habitação do Amazonas (Suhab) para receber a indenização e deixar o local.

O comandante da 5ª Companhia Interativa Comunitária (Cicom), major Jorge Alves, disse que diariamente uma viatura do Ronda no Bairro entra várias vezes no beco Normando. Segundo ele, na sexta-feira foi preso, no beco, um homem que fez cinco disparos com arma de fogo contra outro, supostamente numa disputa por domínio do tráfico de drogas.

publicidade
publicidade
Com longa ficha criminal, homem é preso por roubo de armas em Manaus
Homem morre após ser baleado no Prosamim do Santa Luzia, em Manaus
publicidade
publicidade
publicidade
publicidade

publicidade
publicidade

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.