Publicidade
Manaus
Manaus

Prosamim é modelo ultrapassado, afirmam especialistas

Audiência na ALE discutiu métodos de saneamento e preservação ambiental adotados pelo programa 06/11/2013 às 07:43
Show 1
Canalização e aterramento, marcas do Prosamim, são decisões ultrapassadas
Steffanie Schmidt Manaus, AM

Um modelo de saneamento suplantado há 50 anos. Assim especialistas na área ambiental definiriam os métodos usados pelo Programa Social e Ambiental dos Igarapés de Manaus (Prosamim) durante audiência pública realizada na tarde desta terça (5) na Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam).

Canalização e aterramento dos cursos d’água, além da impermeabilização do solo, são modelos considerados ultrapassados, segundo a ex-secretária de meio ambiente de Manaus, Luciana Valente. “Acredito na recuperação desses cursos d’água de forma integrada, com a renaturalização do entorno, com a construção de parques e plantio, por exemplo”. Esse modelo já vem sendo adotado em países desenvolvidos desde o século passado, segundo ela que deverá repassar os dados ao Ministério Público Federal (MPF), onde é servidora.

De acordo com o presidente da Comissão de Meio Ambiente da Aleam, deputado Luiz Castro (PPS), as sugestões e ideias debatidas serão levadas ao Governo do Estado para que possam aprimorar o projeto que representa “a maior intervenção sócio-ambiental na Amazônia”. “Até porque trata-se de um programa com investimentos superiores a R$ 1 bilhão”, disse.

Para o professor doutor em química, Raimundo Santos do Nascimento, especialistas em tratamento de resíduos sólidos, a única solução para a recuperação dos igarapés em Manaus é tratar os dejetos transformando-os em material orgânico adubável ou biogás, a exemplo do que ocorre hoje, na Alemanha.

“É um negócio lucrativo e produz energia renovável. Além disso, a melhor forma de tratar a água e evitar a contaminação, diferentemente do que é adotado por toda a cidade e pelo Prosamin”, disse.

Ainda segundo o professor, que fez um estudo sobre os igarapés do 40, Educandos e Mestre Chico, os três são igarapés navegáveis no período da cheia do rio Negro. Ele acredita ser possível reverter o aterramento que foi feito no igarapé do 40, a fim de favorecer a navegação urbana. “Se construíssemos uma barragem nele, serviria para navegação o ano todo e ainda poderia gerar energia elétrica. Existem cursos d’água menores em Londres que são utilizados dessa forma”, disse.

O coronel Ricardo Gomes, comandante do Batalhão Ambiental da Polícia Militar lembrou que é preciso haver participação da população na preservação dos cursos d’água. “Quanto ao poder público, observamos que deveria haver um plantio de árvores no curso deles, mesmo nas áreas do Prosamim”.

Publicidade
Publicidade