Domingo, 21 de Abril de 2019
publicidade
68a5cda2-9a2d-44f2-89a5-8a23d64ab116_9A1BE1C8-2A9E-4F27-BA09-F70C2F1F5090.jpg
publicidade
publicidade

SAÚDE

Protagonismo na gestão pública da Saúde deve ser do Executivo, diz Mauro Campbell

O ministro do STJ e amazonense ministra aula magna na Escola Superior da Magistratura do Amazonas (Esmam) sobre a judicialização do sistema público de Saúde


11/03/2019 às 12:16

O ministro amazonense Mauro Campbell Marques, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), defende que o protagonismo da gestão pública na saúde deve ser sempre do poder executivo. Campbell ministra aula magna com o tema “A Judicialização da Saúde na Visão dos Tribunais Superiores”, na abertura do ano letivo de 2019 da Escola Superior da Magistratura do Amazonas (Esmam) na manhã desta segunda-feira (11).

“Quem deve entender de política pública de saúde é o executivo. O judiciário só vai ingressar com a sua mão férrea no momento em que resvalar pela ilegalidade, pela inconstitucionalidade, inação ou pela ausência de política pública. O importante é que todos os órgãos de controle atuem de uma forma resoluta mais ampla. Supra a política pública que falhou não só para um cidadão, mas para todos os brasileiros”, disse o ministro em coletiva de imprensa.

O governador do Amazonas, Wilson Lima (PSC), ressaltou que a Justiça tem um papel fundamental na garantia de acesso à saúde. “Em alguns tratamentos e medicações das quais o Estado não tem rubrica e para isso a Justiça acaba sendo fundamental neste processo. Temos o desafio muito grande na saúde do nosso estado. O ideal seria que os pacientes não tivessem que procurar a Justiça para garantir atendimento na área de saúde”, afirmou.

Em 2018, a Defensoria Pública do Estado do Amazonas (DPE-AM) ajuizou 206 ações de “obrigação de fazer” em favor de pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS) para assegurar o fornecimento de medicamentos e a realização de cirurgias.

O ministro do STJ apresentou dados o Tribunal de Contas da União (TCU) em que revela o impacto de R$ 1 milhão, em 2017, com a judicialização da saúde no País. De 2008 a 2015, os gastos com o cumprimento de decisões judiciais para aquisição de medicamentos e insumos saltaram de R$ 70 milhões para R$ 1,5 bilhão, um aumento de mais de 1.300 %. “De 2010 a 2015, mais de 53% desses gastos (das demandas) contemplaram três medicamentos que não fazem parte da relação nacional de medicamentos essenciais e um deles não possuía se quer o registro da Anvisa”, afirmou o magistrado, durante a aula magna.

Além de apresentar dados, o ministro explicou o procedimento aplicado para análises técnicas de temas como a saúde,  dentro dos Tribunais Superiores e pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ), rito que norteia o julgamento dos magistrados no País.

“O juiz não é obrigado a saber de tudo. Ele não tem esse poder e não deve angariar esse poder. Ele deve se louvar em técnicos especialistas. No STJ, todas as vezes que temos medidas cautelares, tratamentos e medicamentos de urgência para salvar vidas, imediatamente é acionado o diretor médico do STJ. O professor doutor da Universidade de Brasília (UNB) vem ao gabinete do ministro e se for da área cardiológica ele mesmo dá o parecer verbal. Se for de outra área, um catedrático da UNB vai até o gabinete do ministro, gratuitamente, e emite o juízo de valor técnico. É nele que o magistrado tem que se louvar”, explicou Campbell.

Esmam

O ministro do STJ Mauro Campbell é egresso da primeira turma da Esmam, segundo informou o diretor da Escola Superior da Magistratura do Amazonas, desembargador Flávio Pascarelli. Segundo Pascarello, a Esmam realiza uma grande colaboração na formação da magistratura no Amazonas. Conforme o desembargador, nos últimos três anos a escola certificou mais de 10 mil pessoas através do curso preparatório para carreira de juiz e de cursos de pós-graduação, entres, direito constitucional e processual civil.

Mauro Campbell

Mauro Campbell é amazonense e ministro do STJ há 11 anos. Foi promotor de Justiça do Ministério Público do Estado do Amazonas e, por três vezes, procurador-geral de Justiça. Exerceu ainda o cargo de corregedor-geral da Justiça Federal, em substituição ao ministro Og Fernandes. No ano passado, Campbell presidiu a Comissão de Juristas da Câmara dos Deputados, constituída para elaborar o Anteprojeto de Reforma da Lei de Improbidade Administrativa. O trabalho foi entregue em junho de 2018 à Presidência da Câmara Federal.

publicidade
publicidade
Autoexame da mama não substitui exame clínico, diz Ministério da Saúde
Paulo Guedes diz que Brasil não pode pagar pela Zona Franca de Manaus
publicidade
publicidade
publicidade
publicidade

publicidade
publicidade

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.