Sexta-feira, 30 de Julho de 2021
SÁBADO DE PROTESTOS

Protestos anti-Bolsonaro marcam tarde de sábado no Centro de Manaus

Manifestantes gritavam palavras de ordem contra o presidente Jair Bolsonaro, pedindo por mais vacina e pelo fim da divulgação da cloroquina



54dd2d09-05f6-4aee-90e0-95f0eaaef645_2143C4F0-F711-420F-A930-DAD98EA63DE7.jpg Foto: Junio Matos
29/05/2021 às 18:02

Apesar da forte chuva que caiu na cidade no fim da tarde deste sábado (29), os participantes do movimento ‘#ForaBolsonaro’ realizaram uma passeata para protestar contra o governo federal, exigir mais vacinas e gritar contra os cortes nos recursos destinados à educação superior. Os participantes pediram, principalmente, o impeachment do presidente da República, Jair Bolsonaro, mediante a tantas denúncias feitas durante o processo da CPI da Pandemia, que entre outras coisas, investiga a responsabilidade do governo durante a crise de saúde ocorrida no início do ano no Amazonas.


Apesar da chuva, manifestantes continuaram no ato. Foto: Junio Matos

A passeata foi dividida em blocos para não causar aglomerações. Os participantes se deslocaram até o Largo de São Sebastião, onde realizaram o ato público para pedir a saída do cargo de presidente de Bolsonaro.

“Nós estamos manifestando a favor da vacina. Não tem como a economia retornar se não tiver vacina. O Chile, que é uma economia muito menor que a nossa, já vacinou 30% da sua população. E nós aqui no Brasil não chegamos nem a 10%, já estamos chegando a junho. Se a gente não protestar para chamar atenção sobre esse problema, talvez em dezembro a população brasileira não tenha chegado nem a 50% de vacinados”, disse o coordenador do movimento, Yan Evanonick.

Com os lemas ‘Fora Bolsonaro Genocida’ e ‘Mais Vacina e menos Cloroquina’, os participantes membros de movimentos, estudantes, trabalhadores e integrantes de partidos políticos se concentraram na Praça 5 de Setembro, mais conhecida como Praça da Saudade. O ato presencial e on-line seguiu das medidas de segurança para evitar aglomerações e contágio pelo novo coronavírus.


Foto: Junio Matos

Entre as reivindicações, participantes pediam também a defesa da Zona Franca de Manaus, centro de polêmicas com o Governo Federal e o Estado do Amazonas.

“Esse também é um ato a favor da educação. A Universidade Federal do Amazonas teve um corte de 30% nos seus recursos, e mesmo que todo mundo se vacine não vai ser possível retornar às aulas por conta desses cortes.

Par os participantes, o momento atual é propício para pedir o impeachment do presidente Jair Bolsonaro. “A CPI já escancarou tudo. O depoimento do presidente do Butantã, Dimas Covas, escancarou tudo e revelou que em novembro de um 5 milhões de vacinas a disposição e a população já poderia estar sendo imunizada. Infelizmente, por culpa do governo federal, não conseguimos isso. Poderíamos estar sendo os primeiros países a vacinar sua população e,hoje já estamos chegando a quase 500.000 mortes no Brasil”.


Foto: Junio Matos

O ex-reitor da Universidade Federal do Amazonas (Ufam) e médico da Fundação Hemoam, Nelson Fraiji, disse que é a favor de todo e qualquer ato que busque o conhecimento.

“Eu sou a favor da vida, sou a favor do respeito às diferenças e sou contra tudo o que está acontecendo no Brasil. O Nosso país está sendo levado ao desastre, e o nosso patrimônio, Amazônia está sendo destruída. Mesmo nesse momento tão difícil essa manifestação é absolutamente indispensável. Se não fizermos nada, nós vamos sangrar até morrer.”, Disse o médico.

Nelson Fraiji disse que para o Presidente da república universidade brasileira não tem valor. “Se a ciência não tem significado nenhum pra ele, imagine a universidade. Na Universidade de forma pessoas com consciência, e quem tem consciência não tolera o que está acontecendo no país”. Ressaltou o ex-reitor da Ufam sobre os cortes nos recursos destinados às universidades brasileiras.




Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.