Publicidade
Manaus
Manaus

PSDB do AM deixa decisão com Plínio Valério e promote apoiá-lo

Mário Barros. secretário-geral do PSDB, disse que a intenção da sigla é dar todo o apoio jurídico para Plínio assumir o cargo em Brasília sem perder o mandato de vereador em Manaus 30/01/2013 às 15:51
Show 1
Mário Barros disse que tucano só assume na Câmara se mantiver mandato de vereador
Mariana Lima ---

 “O PSDB estadual não irá pedir para Plínio Valério renunciar ao cargo de vereador”. A afirmação é do secretário-geral do Diretório Estadual do partido, Mário Barros. O secretário disse nesta terça-feira (29) a A CRÍTICA que a intenção da sigla é dar todo o apoio jurídico para Plínio assumir o cargo em Brasília sem perder o mandato de vereador em Manaus.

Vereador eleito com 12.053 votos, Plínio Valério é o terceiro na linha de sucessão ao cargo de deputado federal deixado por Pauderney Avelino (DEM) no dia 4. O primeiro suplente para a vaga na Câmara é o titular da Secretaria Estadual de Produção Rural (Sepror), Eron Bezerra (PCdoB), que assumiu o posto no dia 10 de janeiro e se licenciou 15 dias depois. Eron foi renomeado, pelo governador Omar Aziz, secretário de Produção Rural.

Segundo Barros, a diretoria estadual do PSBD tem a intenção de dar apoio à posse de Plínio Valério em Brasília assim que o parlamentar estiver resguardado pela Procuradoria da Câmara Municipal de Manaus (CMM). “Ainda não temos nenhuma posição oficial sobre o posto em que o vereador Plínio deverá ficar. Estamos aguardando um parecer conclusivo da Procuradoria Câmara que pelo o que me parece ainda não foi dado. Tentei hoje (terça-feira) falar com o presidente da Casa, vereador Bosco Saraiva para perguntar sobre o assunto, mas não tive sucesso”, explicou Mário Barros.

O dirigente partidário disse ainda que se depender da posição do diretório estadual, Plínio só assumirá o posto se os advogados encontrarem uma “brecha” na lei federal. Na segunda-feira, o vereador disse que viajaria a Brasília com intuito de buscar especialistas que desejem defender o caso dele junto ao Supremo Tribunal Federal (STF).

(A íntegra deste conteúdo está disponível para assinantes digitais ou na versão impressa).

Publicidade
Publicidade