Publicidade
Manaus
ELEIÇÕES 2018

PT e PSB se ‘esquivam’ de apoio à reeleição de Vanessa Grazziotin no Senado

Direções dos partidos unificam discurso de consolidação da aliança firmada na convenção do último domingo (5), mas não garantem "palanque" para a candidatura da senadora Vanessa 09/08/2018 às 03:49
Show vanessa grazziotin
Foto: Márcio Silva/Arquivo AC
Geizyara Brandão Manaus (AM)

Os presidentes estaduais do Partido Socialista Brasileiro (PSB) e Partido dos Trabalhadores (PT), Marcelo Serafim e Sinésio Campos, afirmaram que a chapa majoritária para governo, encabeçada por David Almeida (PSB) e Jorge Guimarães (PT), é matéria vencida desde o último dia das convenções. O entrave em relação às alianças fica por conta da Senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB), que é a candidata à reeleição pelo PT, conforme acordo nacional.

A composição com o PSB e a escolha de Grazziotin como candidata a senadora, em detrimento do ex-deputado Francisco Praciano (PT), acabou ocasionando um racha interno no PT. A presidente nacional do partido, Gleise Hoffmann, informou que estava com "problemas" na aliança da sigla no Amazonas, mas asseverou a candidatura de Grazziotin para o Senado Federal. "Que fique claro, a candidatura do PT ao Senado no AM é Vanessa Grazziotin", decretou.

Campos informou que a competência da legenda estadual foi realizar a convenção e seguir a política nacional de aliança com o PSB e não lançar candidato ao Senado Federal “para que não tivesse prejuízo à candidatura do PCdoB de Vanessa Grazziotin”.

Para o presidente estadual do PT, a sigla cumpriu “religiosamente” o papel junto aos aliados no Amazonas e que não tem nenhuma ingerência sobre a chapa majoritária para que seja feito palanque para a senadora do PCdoB. “O PT Nacional e o PT do Amazonas darão apoio a ela pela lealdade dela”, ressaltou.

Marcelo Serafim destacou que a coligação entre PSB e PT foi realizada respeitando o acordo nacional referente aos Estados do Amazonas, Amapá, Pernambuco e Paraíba. “Isso foi resolvido e não estava incluída no pacote uma aliança com a senadora Vanessa. Nós respeitamos a senadora, embora não haja um respeito por parte deles em relação a gente”, disse.

De acordo com o presidente estadual do PSB não há a possibilidade de ser feito palanque para a senadora. “Não tem clima para que a gente sente na mesma mesa que a senadora Vanessa. O deputado Eron Bezerra (PCdoB) disse que entre o satanás e a gente, ele optava pelo satanás. Então ele que siga o caminho dele com satanás e ele que nos deixe seguir o nosso caminho”, declarou.

Aliança trincada

O presidente estadual do PCdoB, Eron Bezerra, explicou que a questão a coligação majoritária para o governo entre o PT e PSB não interfere no apoio do PT ao PCdoB. “A questão do PSB nós vamos ver no momento oportuno e adequado, por enquanto. Não tem nada a ver uma coisa com a outra, embora estejam acontecendo conversas nacionais dentro do PSB, PCdoB e PT para ver se esse impasse que foi criado se supere”, expôs.

Convenções

Durante a convenção do PCdoB, no último dia 5, o partido não definiu apoio a quaisquer candidatos ao governo do Estado para esta eleição. Já o PT afiançou o apoio a David Almeida (PSB) e indicou o advogado Jorge Guimarães (PT), nas últimas horas do dia, para vice na chapa.

OPINIÃO

Eron Bezerra - Presidente Estadual do PCdoB

Nós já tratamos isso várias vezes com o PT. Há uma decisão do PT local e nacional de apoiar a Vanessa. Isso já é um assunto bem resolvido. Eu quero crer que o PT, a sua militância, pelo compromisso que eles têm em ter uma representação que seja, de fato, compromissada com os trabalhadores, as mulheres, etc. Jamais um partido como o PT e o PCdoB vai deixar de apoiar alguém que tenha esse compromisso. Mas aí não é uma questão de imposição e sim de opção. Eu acho que a militância histórica do PT jamais vai negar apoio à Vanessa. Por essa razão, não é porque tem uma decisão ou não, é porque tem identidade programática. Assegurar um mandato como o da Vanessa deveria ser uma obrigação e dever de qualquer pessoa que tem um mínimo de compromisso com a luta dos trabalhadores. Tem uma resolução do PT indicando prioridade de coligações com o PCdoB e com o PSB. Isso foi sendo construído ao longo de julho.

Publicidade
Publicidade