Sábado, 04 de Abril de 2020
política

PT não apoiará partidos que critiquem Lula ou Dilma nas eleições municipais

Executiva nacional do Partido dos Trabalhadores não quer alianças com partidos fora do eixo estratégico de esquerda



dilma_e_lula_BDBC8A4E-3CD3-4A8F-8F96-7B877DF36480.JPG Foto: Reprodução / Internet
08/02/2020 às 17:34

Em reunião no Rio de Janeiro para tratar dos preparativos da eleição municipal, a direção nacional do PT anunciou neste sábado (8), por meio de uma nota, que não vai fazer alianças partidárias com DEM e PSDB, antagonistas antigos do Partido dos Trabalhadores. A política de alianças do PT para estas eleições municipais vai vetar composições com os partidos de extrema-direita e ultra-neoliberais.

O partido quer priorizar alianças com partidos de esquerda (PCdoB, PSOL, PDT, PSB, Rede, PCO e UP), porém deixou indefinido a possibilidade de fazer coligações com outras agremiações, desde que o comitê estadual dê o sinal verde, e que essas façam oposição ao governo do presidente Bolsonaro. Outra condição é que os candidatos não sejam hostis aos presidentes Lula e Dilma.



A executiva nacional petista quer lançar candidatos em todos os municípios que for possível, com mais ênfase naqueles com eleição em dois turnos e os que possuem emissoras geradoras de rádio e televisão de programas do horário eleitoral.

Alianças locais

O presidente do comitê municipal do PT, Valdemir Santana, disse que agora cabe a esfera municipal do partido apenas seguir as regras estabelecidas pelo comitê nacional, na última sexta-feira. Santana informou também o tempo de propaganda do partido é “razoável” e que alianças com partidos fora do centro estratégico de esquerda não é necessário por enquanto.

“A gente não faz coligação nem com PSDB, quiçá com DEM, é uma rivalidade histórica. Logicamente há partidos que se denominam liberal, socialista, mas no fundo prega outra coisa. Então, no que tange as coligações, a gente vai seguir o que a direção nacional orienta. Não tem necessidade do PT se coligar com outros partidos em busca de tempo de TV, nós já temos um tempo razoável de TV”, disse.

Além do PT, os principais partidos de esquerda no Amazonas como PSB, PDT, PCdoB, que fazem parte do eixo estratégico de alianças de esquerda que o Partido dos Trabalhadores deve negociar apoio, já anunciaram candidaturas próprias.

No dia 28 de janeiro, o ex-deputado federal e presidente estadual do PDT, Hissa Abrahão anunciou sua candidatura à Prefeitura de Manaus. À época, em entrevista à reportagem de A CRÍTICA, Hissa adiantou que não está nos planos do PDT apoiar o PT nestas eleições. Abrahão salientou o extremismo político do PT e a falta de uma autocrítica de membros do partido, se referindo a membros da sigla como “santos do pau oco”

“A gente pretende conversar com todos os partidos de esquerda para firmar alianças, mas com o PT não vamos formar aliança, por causa da sua maneira de agir. Ninguém quer ficar refém do radicalismo exacerbado da direita e nem da desonestidade petista, que corruptos são todos, menos quando eles praticam corrupção. Essa falta do PT, de reconhecer seus próprios erros, o partido teve quatro tesoureiros presos, tem uma liderança que está condenada pela Justiça Eleitoral. Aí, lideranças do PT agem como sonsos, como santos do pau oco. São incapazes de fazer qualquer crítica a membros do seu partido, mesmo sabendo que eles são corruptos”, escrutinou.


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.