Publicidade
Manaus
Manaus

Quadrilha assalta posto de gasolina na Zona Oeste de Manaus

Quatro homens armados renderam frentista, invadiram escritório e fugiram levando R$ 12 mil; Nenhum deles foi preso 09/04/2013 às 10:23
Show 1
O assalto ao posto de combustíveis foi registrado no 5º DIP, no Santo Antônio
JOANA QUEIROZ ---

Quatro homens armados com armas de fogo e chave de fenda assaltaram o escritório do auto posto Santo Antônio, localizado na esquina da rua Santo Antônio com a avenida Brasil, bairro Santo Antônio, Zona Oeste, de onde levaram toda a renda do fim de semana, avaliada em mais de R$ 12 mil. O assalto foi registrado no 5º Distrito Integrado de Polícia (Dip), no mesmo bairro, e até o final da tarde de ontem os ladrões ainda não tinham sido identificados.

Ontem, o frentista Rozinaldo Andrade, 35, e o gerente do auto posto, que não quis se identificar, foram ao Dip registrar Boletim de Ocorrência (BO). O frentista contou que o assalto aconteceu por volta de meia-noite de segunda-feira. Ele estava sozinho no estabelecimento quando chegaram quatro homens à pé e o cercaram, dizendo que era um assalto e que ele tinha que colaborar se não quisesse ser morto.

Rozinaldo disse que um homem encostou uma arma nas costas dele e os outros ficaram apontando na direção da cabeça. O frentista foi obrigado a entrar no banheiro, onde ficou trancado enquanto os ladrões arrombaram a porta do escritório onde fica recolhido o dinheiro arrecadado durante o final de semana, que, normalmente, só é depositado no bando na manhã de segunda-feira.

O frentista não soube dizer quanto tempo os ladrões levaram para arrombar a porta e recolher o dinheiro e também não soube dizer se eles fugiram à pé ou em algum carro. Rozinaldo disse que, quando não ouviu mais nenhum barulho, saiu do banheiro pelo basculante e avisou os patrões sobre o assalto. Segundo ele, a ação dos ladrões não foi filmada porque o estabelecimento não possui nenhum equipamento de segurança.

Segundo a vítima, os ladrões eram adultos e aparentavam ter entre 25 a 30 anos de idade. Também não deu para ele olhar para os rostos deles, porque ameaçavam matá-lo. “Eu pedi para que não me matassem porque eu era pai de família e eles diziam que também eram, mas que não iam ‘perder essa’”, disse o frentista.


Publicidade
Publicidade