Publicidade
Manaus
Manaus

Quarteto de deputados fica no PMDB e diz ser fiel ao governo

Os parlamentares também declararam que “nunca” estiveram “em cima do muro” quanto à permanência nos quadros do PMDB 04/10/2013 às 08:43
Show 1
Deputados Vicente Lopes, Belarmino Lins, Marcos Rotta e Wanderley Dallas, todos do PMDB, faltaram à reunião convocada pelo senador Eduardo Braga
André Alves Manaus, AM

Os quatro deputados estaduais do PMDB na Assembleia Legislativa do Amazonas (ALE-AM) anunciaram ontem, em entrevista coletiva, que permanecerão na legenda e vão continuar dando apoio ao Poder Executivo Estadual mesmo que o senador Eduardo Braga, presidente estadual da sigla, seja candidato ao Governo do Estado. Os parlamentares também declararam que “nunca” estiveram “em cima do muro” quanto à permanência nos quadros do PMDB.

“O posicionamento dos quatro integrantes do PMDB é para ratificar exatamente nosso compromisso de continuarmos nas fileiras do partido”, afirmou o líder da legenda na ALE-AM, deputado Marcos Rotta. “Aqui não tem nenhum deputado que está ou esteve em cima do muro para aguardar qualquer tipo de desdobramento político. Nunca agimos dessa forma”, sustentou Rotta, após reunião de quase duas horas com os colegas de partido, na ALE-AM.

“O histórico parlamentar de todos nós não nos permite criar subterfúgios para criar qualquer tipo de deslize político. O compromisso dos integrantes do PMDB é de continuar nas hostes do PMDB, nas fileiras do PMDB, e continuarmos sendo parceiros do Poder Executivo como nós temos sido nos últimos anos”, acrescentou Marcos Rotta. Segundo ele, a decisão de apoiar o governo estadual “independe do pleito de 2014”.

“O PMDB faz parte de um arco de alianças de partidos que dá sustentação ao governo do doutor Omar Aziz aqui na Assembleia. Desde o início, no meio, e chegaremos ao fim, dando a sustentação política ao governo do doutor Omar Aziz na Assembleia”, disse Belarmino Lins, vice-presidente da Casa. “Estamos colocando fim às especulações”, reforçou.

O deputado Vicente Lopes, que criticou a decisão do PMDB  de promover uma caravana no interior, às vésperas da eleição, garantiu que permanece na sigla. “Jamais, em momento algum, o deputado Vicente teve qualquer conversa com quem quer que seja para sair do PMDB. Estou no PMDB em todos os mandatos inclusive com o mesmo número, o que facilita muito para a conquista do quinto mandato, se Deus quiser”, afirmou Vicente Lopes.

Ele também reforçou a permanência dos colegas na base de apoio a Omar Aziz. “Nós somos da base do governador Omar. Prestaremos apoio ao seu governo”. De acordo ele, se Eduardo Braga for candidato, “vamos defender o nosso candidato, defendendo o governo com lealdade, por entender que até então somos um grupo político que não tem divisão”. Vicente Lopes emendou: “Não é ter duas faces. Somos da base do governo. Seremos leais e fiéis ao nosso candidato e ao nosso partido, e, enquanto deputado da base do governo, leais ao governador Omar Aziz, que nesse momento é o governador. É o líder”.

‘Nós temos história partidária’

O deputado estadual Vicente Lopes afirmou, durante a coletiva dada à imprensa, junto aos colegas de partido, que suas declarações sobre a caravana do PMDB não podem ser interpretadas como um desejo de abandonar a sigla.  “Minhas palavras foram superdimensionadas”, sustentou. “Nós não estamos no PMDB. Nós somos do PMDB, com uma história partidária”, disse ele.

Vicente Lopes é filiado ao partido desde 1990. Sobre as declarações a respeito do PMDB, ele afirmou: “Mantenho tudo o que disse. Disse que sou favorável à  ida do partido (ao interior), assim como defendo as Assembleias Itinerantes, na condição de que seja feito de forma constante e continuada. Que entendia e entendo que não pode ser apenas em período de campanha eleitoral”.

Dallas nega ida para o Pros

Dado como certo por colegas de Parlamento como integrante do Pros, comandado pelo vice-governador José Melo, o deputado Wanderley Dallas garantiu que não sai do PMDB. “O PMDB está unido. Sempre esteve. Nós estamos juntos”, afirmou Wanderley Dallas. Ele disse que não recebeu convite para se filiar ao Pros.  “Vou continuar no PMDB”, sustentou o parlamentar.

O vice-presidente da ALE-AM, Belarmino Lins, afiançou que os deputados não receberam pressão para sair ou permanecer no PMDB. “Não sofremos intimidações ou pressões de nenhuma autoridade, e nem assédio político de qualquer autoridade constituída do nosso Estado para sair do nosso partido. Não fomos procurados. Ninguém veio com seduções ou orações”, brincou.

Publicidade
Publicidade