Domingo, 19 de Maio de 2019
SAÚDE PÚBLICA

Raiva é descartada em pacientes atacados por morcegos em comunidade do Rio Negro

A Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas (FVS) informou que, até o momento, foram notificadas nove pessoas da comunidade com histórico de mordida de morcego, todas já vacinadas



funda__o_tropical_7FC84F26-6A26-40B7-9B40-A84081B93C98.JPG
Foto: Divulgação
21/01/2019 às 18:02

A Fundação de Medicina Tropical Dr. Heitor Vieira Dourado (FMT-HVD) descartou quadro de encefalite viral e raiva humana em pacientes atendidos na unidade com histórico de mordida de morcegos hematófagos. Seis pessoas oriundas da comunidade ribeirinha de Nova Jerusalém, no rio Negro, Zona Rural de Manaus, a cerca 80 quilômetros da capital, receberam atendimento na FMT-HVD.

A Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas (FVS) informou que, até o momento, foram notificadas nove pessoas da comunidade com histórico de mordida de morcego, todas já vacinadas. Sete pessoas são da mesma família e moram na mesma residência, e outros dois da mesma comunidade.

Nesta terça-feira (22), a FVS enviará à região uma equipe técnica para realizar atividades relacionados a medidas de vigilância, prevenção e controle da raiva na comunidade. Dentre as atividades que serão realizadas, em parceria com a Secretaria Municipal de Manaus, está previsto a vacinação de animais domésticos (cães e gatos), a implantação de mosquiteiros impregnados com inseticida, coleta de amostras e o controle de morcegos hematófagos na comunidade.

As agressões por morcegos na comunidade foram detectadas pelo sistema de vigilância epidemiológico do município de Manaus e da FVS, após uma mãe e uma criança de dois anos darem entrada no Instituto da Criança do Amazonas (Icam), no dia 13 de janeiro, com quadro de doença diarreica relacionada à parasitose intestinal. Na ocasião, foram relatados à equipe médica episódios de ataques recentes de morcegos na comunidade, o que fez com que a equipe da unidade acionasse o sistema de vigilância epidemiológica. Mãe e filha foram encaminhadas à FMT-HVD, onde receberam soro e vacina antirrábicos e apresentaram melhoras. Outros pacientes da mesma família também receberam atendimento na unidade.

O diretor de Assistência Médica da FMT, infectologista Antônio Magela, ressalta que, pela evolução do quadro clínico de todos os pacientes atendidos na unidade, a raiva está descartada. Tanto a mãe, que já teve alta, no domingo (20), quanto a criança tiveram boa evolução no quadro clínico. “A criança foi mantida em observação mas, nesse domingo, estava respondendo a todos os estímulos, descartando qualquer possibilidade de se tornar um quadro de encefalite (inflamação do cérebro). Ela está acompanhada do pai, e vai permanecer em observação, mas com a possibilidade de ser liberada nos próximos dias, conforme análise médica”, disse.

Outras quatro pessoas da comunidade, que tiveram histórico de agressão por morcegos na última semana, foram encaminhadas à FMT, onde fizeram o uso de soro e vacina e não apresentaram sinais da doença e já foram liberadas.

Trabalho de campo

A equipe da FVS que será deslocada para comunidade é a mesma que acompanhou a situação vivenciada em Tapira, no rio Unini, em Barcelos, em novembro de 2017, quando houve   um surto de raiva humana, após registros de agressão a moradores por morcegos hematófagos. “Os técnicos devem permanecer até o dia 26 de janeiro, realizando as atividades de controle para evitar novas agressões causadas por morcegos hematófagos na população local. Após o retorno, novas medidas serão avaliadas, baseadas nas situações encontradas na comunidade”, disse o  diretor técnico da FVS-AM, Cristiano Fernandes.

Ele adianta que as ações são integradas entre a Prefeitura de Manaus e o Governo do Estado, por meio da FVS, garantindo assim uma melhor avaliação das ações de controle. “A situação exige ações imediatas para garantir o atendimento adequando das pessoas agredidas pelos morcegos bem como a vigilância por meio de coleta de amostras de animais, da região” explicou.

Fernandes informa que para evitar a exposição a ataques de morcegos, é recomendado o uso de mosquiteiros, ou telas que possam evitar a entrada dos animais nas residência, principalmente em áreas rurais, destaca. “Outra recomendação é orientar as pessoas que foram agredidas por animais como morcegos, cães, gatos dentre outros procurar o atendimento médico na unidade de saúde mais próxima”, alertou.

Situação epidemiológica da doença

Após 30 anos sem casos de raiva humana – embora com a circulação do vírus silvestre –, o Amazonas registrou, em novembro de 2017, 03 casos confirmados da doença, com 02 óbitos, todos na mesma família. Depois disso, não houve mais registros. Na ocasião, foram a óbito um adolescente de 16 anos e uma menina de 10. Já o terceiro irmão, de 14 anos, conseguiu sobreviver à doença e está internado na FMT-HVD.

De acordo com o médico Antônio Magela, um dos membros da equipe multidisciplinar responsável pelo atendimento do menino internado desde 2017, o paciente tem sequelas neurológicas e físicas permanentes. “Apesar de todo o acompanhamento dispensado na unidade, com equipe médica, de fisioterapia, nutrição, entre outros profissionais, ele se mantém restrito ao leito, pouco comunicativo e tem contraturas musculares”, destacou o médico.

Ainda segundo o médico, o paciente já tem condições de ter alta e receber cuidados paliativos em casa, mas não poderá voltar para a comunidade onde vivia. “O tratamento, agora, já poderá ser realizado em ambiente domiciliar adaptado, sob assistência de uma equipe de cuidados paliativos, com fisioterapeuta, fonoaudiólogo e visitas médicas regulares. Isso está sendo providenciado para breve”, disse.


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.