Sábado, 25 de Maio de 2019
DELEGACIA

Registro de casos de intolerância religiosa é baixo em delegacia de Manaus

É caracterizado como discriminação religiosa a não aceitação de determinadas pessoas em razão da crença. Saiba como denunciar:



delegada_dois_agora_B4632563-192E-4FA9-9B87-F051FDC2F2C0.JPG
A delegada Catarina Saldanha é responsável pelas investigações dos casos. Foto: Sabrina Rocha / SSP-AM
17/04/2019 às 14:12

Em cinco anos, dez ocorrências de discriminação religiosa foram registradas em Manaus, segundo dados da Delegacia Especializada em Ordem Política e Social (Deops), da Polícia Civil. A intolerância religiosa é crime previsto no artigo 208 do Código Penal Brasileiro, com punições que vão de um mês a um ano de detenção ou multa. A liberdade religiosa é garantida pela Constituição Federal, no artigo 5º, inciso VI.
 
De acordo com a delegada Catarina Saldanha, titular da Deops, a especializada é responsável pelas investigações de casos desde 2014, em cumprimento a uma resolução do Ministério Público do Amazonas. É caracterizado como discriminação religiosa a não aceitação de determinadas pessoas em razão da crença.
 
“Um exemplo de religiões que sofrem muita intolerância no Brasil são as de matriz africana, que são vítimas de ofensas. A intolerância é isso, achar que o outro está errado, que é pernicioso para crença. Ofendem a fé e, com isso, importunam, tentando impor sua visão sobre as coisas. Religião nenhuma pode ser discriminada”, disse.
 
Ainda segundo a delegada, em razão do aumento desse tipo de crime em âmbito nacional, a especializada registra Boletim de Ocorrência e inicia o procedimento policial para pessoas que ofendem terceiros em virtude da diferença de crença respondam na justiça por intolerância em relação à fé das pessoas.
 
“Nós já tivemos na delegacia caso de uma mulher que quebrou imagens da vítima em um terreiro, mas durante as investigações foi constatado que se tratava de uma dívida que essa vítima tinha com a autora”, exemplificou.
 
A delegada orienta que o cidadão que se sentir ofendido por questões relacionadas à religião deve registrar o caso na DEOPS para que as investigações sejam feitas.

Vítima de intolerância religiosa em dezembro de 2018, pai Nonato de Xangô recebeu ofensas e foi difamado por meio das redes sociais por uma mulher que mora perto dele, na Cidade Nova. Adepto da Umbanda, ele registrou boletim de ocorrência, a polícia identificou a autora dos xingamentos e ameaças, e o caso está na Justiça.
 
“Ela me chamou de coisas terríveis. Disse que eu servia ao demônio e que tinha uma casa cheia de coisas erradas. Eu me senti humilhado e ofendido, e por isso denunciei, para que as pessoas saibam que isso é intolerância, é crime e não pode ficar impune”, contou.
 
A Deops fica no prédio da Delegacia Geral da Polícia Civil, na avenida Pedro Teixeira, bairro Dom Pedro, zona centro-oeste. O telefone de contato é 3214-2268.

*Com informações de assessoria de imprensa

News portal1 841523c7 f273 4620 9850 2a115840b1c3
Jornalismo com credibilidade

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.