Publicidade
Manaus
transporte coletivo

Reunião entre Prefeitura e Sinetram não atinge consenso sobre nova tarifa

Discussão deve ser retomada apenas nesta quarta-feira (13), quando o prefeito Arthur Neto volta a Manaus após viagem a Brasília, para se reunir com diretor do sindicado. Até lá, o novo valor não será cobrado 11/04/2016 às 12:30 - Atualizado em 11/04/2016 às 12:53
Show tarifa
Por enquanto, usuários do transporte coletivo seguem pagando a tarifa sem reajuste até que Prefeitura e empresas cheguem a um consenso sobre o tema (Foto: Aguilar Abecassis)
Luana Carvalho Manaus (AM)

A reunião entre a Prefeitura de Manaus e o Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros do Estado do Amazonas (Sinetram), que aconteceu na manhã desta segunda-feira (11) na tentativa de definir o início da cobrança da nova tarifa do transporte coletivo em Manaus, que teve seu reajuste autorizado em R$ 3,55 pelo Tribunal de Justiça do amazonas (TJ-AM), não resultou numa definição concreta, segundo o sindicato. 

De acordo com o advogado do Sinetram, Fernando Borges, não houve consenso neste seu encontro com Marcos Ricardo Herszon Cavalcanti, à frente da Procuradoria-Geral do Município (PGM), e outros secretários municipais.

Eles decidiram, então, esperar o retorno do prefeito Arthur Neto (PSDB) a Manaus, que atualmente se encontra em Brasília. Arthur deve voltar à capital amazonense nesta quarta-feira (13), quando está prevista uma nova reunião, desta vez entre ele e diretores do Sindicato. 

Até lá, o reajuste não será implementado e a população segue pagando a tarifa de antes (R$ 3), afirmou o Sinetram.

"O sinetram foi arrogante"

Procurado pelo portal A CRÍTICA, O prefeito Arthur Neto afirmou que o Sinetram foi "arrongante, inábil e incompetente" ao tentar cobrar reajuste sem comunicar a prefeitura.

"Errou imperdoavelmente, vou lutar com tudo contra esse prejuízo que querem empurrar para o povo mais pobre. Está difícil pra todo mundo. Pra mim, pra você, pros microempreendedores e até pra Bemol. Não discuto isso. Afirmo é que eu aperto os cintos da Prefeitura e o Sinetram deve fazer o mesmo, jamais empurrar para quem está na ponta do sifrimento e não tem como repassar seu prejuízo para ninguém", declarou. 

Liminar

Na sexta-feira, o Tribunal de Justiça do Amazonas (TJ-AM) autorizou o reajuste de 12,37% na tarifa do ônibus na capital. Assim, o preço deve passar de R$ 3 para R$ 3,54, uma vez que o calculo é feito em cima da tarifa técnica, fixada atualmente em R$ 3,15.

A decisão liminar foi concedida  pelo desembargador Ari Moutinho, acatando o pedido de  dez empresas de transporte coletivo que operam em Manaus. O pedido foi feito no dia 31 de março, logo após o juiz da 2ª Vara da Fazenda Pública Municipal negar i aumento da tarifa de ônibus.

No pedido feito à Justiça, as empresas argumentaram que a prefeitura não vem honrando com o pagamento do subsídio de R$ 0,15, relativo à redução da tarifa técnica de R$ 3,15 para R$ 3, e por causa disso, a dívida chega a aproximadamente R$ 10 milhões.

A Superintendência Municipal de Transportes Urbanos (SMTU), afirmou que o pagamento do subsídio da Prefeitura por passagem ainda não tinha sido feito neste ano por questões técnicas e que isso deve ser resolvido até hoje.

Publicidade
Publicidade