Terça-feira, 21 de Janeiro de 2020
audiências de instrução

Réus da operação La Muralla começam a ser ouvidos pela Justiça Federal, em Manaus

Ao todo, o Ministério Público Federal (MPF) denunciou mais de 120 pessoas, que agora começam a ser ouvidas perante a justiça. Ainda de acordo com o MPF, as investigações da operação geraram mais de 20 ações penais. 



pf.jpg Foto: Kelly Melo
06/06/2016 às 19:04

Sete meses após a deflagração pela Polícia Federal da operação La Muralla, que prendeu importantes peças da facção criminosa Família do Norte (FDN) no ano passado, iniciaram as audiências de instruções na Justiça Federal na tarde segunda-feira (6).

Ao todo, o Ministério Público Federal (MPF) denunciou mais de 120 pessoas, que agora começam a ser ouvidas perante a justiça. Ainda de acordo com o MPF, as investigações da operação geraram mais de 20 ações penais. 



O primeiro réu a ser ouvido foi o colombiano Jesús Antonio Polanco Hernándes, 44, conhecido como "Chuchu". Preso no Instituto penal Antônio Trindade (Ipat), Polanco é apontado por ser um dos principais fornecedores de cocaína e maconha skunk para os principais traficantes da FDN, como José Fernandes Barbosa, o "Zé Roberto da Compensa", e Alan de Souza Castimário, o "Nanico", que estão presos em presídios federais. 

Ainda conforme a denuncia do MPF, baseado nas investigações da La Muralla, Chuchu negociava drogas e armas da Colombia e Peru em Manaus. Durante o seu interrogatório, o réu negou todas as acusações contra ele.

Até o fim da semana outros investigados da operação serão ouvidos em audiências na Justiça Federal. Um forte esquema de segurança foi montado para o período, devido a complexidade dos casos e a periculosidades dos envolvidos.


Mais de Acritica.com

20 Jan
trans_8C3DB8BB-BCF9-43E8-B068-3BED79D3DBF5.JPG

Mutirão retifica nomes e assegura identidade de travestis e transsexuais

20/01/2020 às 20:27

Como o procedimento feito diretamente no cartório não é tão simples (a lista de documentos exigidos é extensa) e nem sempre é barato (custa em média entre R$350 a R$ 400), a ação visa não somente facilitar a vida das pessoas transexuais que desejam alterar o nome e gênero de registro em sua documentação de nascimento, como também vai acompanhar e custear a certidão de tabelionato de protestos


Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.