Quinta-feira, 20 de Janeiro de 2022
CHEIA?

Rio Negro sobe 14 centímetros em cinco dias após três meses de vazante

Cota de 19,58 metros registrada nesta quarta-feira (10) supera em quase três metros - ou 17,5% maior - o que era registrado no mesmo período do ano passado



novoairao_18A029C1-AE48-42A2-B4C8-CB4C77832DD7.JPG Praias de Novo Airão, no Alto Rio Negro, não chegaram ao mesmo nível de anos anteriores / Foto: Dante Graça
10/11/2021 às 15:07

Após três meses consecutivos em vazante, as águas do rio Negro voltaram a subir. Nos últimos cinco dias, o nível do rio aumentou 14 cm de acordo com medição realizada pela régua do Porto de Manaus, alcançando a cota de 19,58 metros nesta quarta-feira (10). 

No mesmo período do ano passado, o nível do rio Negro alcançava apenas 16,65 metros. Ou seja, um aumento de 17,59 % de 2020 para 2021. Vale ressaltar que a cota atual do rio Negro só foi alcançada no ano passado no dia 18 de dezembro de 2020, quando o rio já se encontrava em processo de cheia.



Outro índice que também apresentou crescimento foi o rio Amazonas, em Parintins (município distante 369 quilômetros de Manaus), De acordo com a Régua Fluviométrica de Parintins, nos últimos quatro dias o nível do rio subiu 7 cm, atingindo 1,84 metros. 

Ainda que em 2021 tenha acontecido a maior enchente do rio Negro nos últimos 119 anos - atingindo o nível de 30,02 metros; o engenheiro hidrólogo do Serviço Geológico do Brasil (SGB-CPRM), André Martinelli Santos, destaca que é muito cedo para afirmar que o rio já se encontra no processo de cheia.

"É preciso aguardar o comportamento do rio Negro na estação de Manaus por mais uma semana para sabermos se realmente foi iniciada a cheia deste novo ciclo hidrológico 21/22. Isso porque o rio Negro em suas estações mais à montante ainda está dominado pelo processo de vazante. Essa elevação no rio Negro em Manaus está mais relacionada ao que ocorre na bacia do Solimões, onde o processo de cheia já foi iniciado há cerca de 3 semanas em Tabatinga (estação monitorada mais rio acima)", destaca o engenheiro hidrólogo.

Chuvas ainda não influenciam

O começo do "inverno amazônico" deve ser marcado por chuvas acima do esperado, segundo previsões do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet). André Martinelli esclarece que a bacia do rio Negro sofreu impactos por conta da maior precipitação na região. Entretanto, a capital amazonense segue normalizada.

"Já é um fato que a bacia do rio Negro por um todo sofreu impactos com anomalias positivas de chuvas, ou seja, chuvas acima do esperado para o período de análise. Essas anomalias trouxeram níveis acima do esperado para todas as estações monitoradas no rio Negro (exceto Manaus que manteve os valores dentro da faixa de maior permanência, em outras palavras, níveis dentro do esperado)", esclareceu Martinelli.

Possibilidade de uma nova grande enchente

Questionado pela A CRÍTICA se já há algum indício de que a capital amazonense poderá sofrer uma nova grande enchente, tendo em vista o nível do rio Negro está bem acima do que foi registrado no mesmo período do ano passado, André Martinelli descarta esta possibilidade.

"Não. Analisando a série histórica de quase 120 anos, já ocorreu cotas acima desta cota atual em que a cheia seguinte não efetivou em cheia de grande magnitude. O sistema fluvial amazônico é muito dinâmico e tem forte dependência da climatologia que vem sofrendo muito com as mudanças provocadas pelo aquecimento global em função principalmente do desmatamento e queimadas", respondeu o engenheiro.

Martinelli ressalta ainda que tal previsão só poderá ser realizada após a análise dos níveis do rio Negro nos próximos três meses.

"Ainda nesta questão, é preciso paciência e esperar as análises do próximo trimestre (dezembro-janeiro-fevereiro) para termos uma real dimensão dos possíveis impactos da cheia 2022. Ainda está muito cedo para este tipo de especulação", ressaltou.

News b9c859f0 b845 415e 97aa d9fe4eb65dc1 96581f6b 36a1 4a7c a5d9 8f8c56b0b256
Repórter de A Crítica
Amazonense, nascido e criado em Manaus. Graduado em Jornalismo e mestrando em Antropologia Social, ambos pela Universidade Federal do Amazonas (Ufam).

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.