Publicidade
Manaus
BLOQUEIO

Rodovia BR-174 é bloqueada durante protesto de servidores de Presidente Figueiredo

Cerca de 20 funcionários públicos afirmam que só saem do local após receberem pagamento de cinco meses de salários atrasados. Uma longa fila de carros e caminhões se formou no local 12/11/2018 às 12:45 - Atualizado em 12/11/2018 às 12:52
Show acf7daf4 8282 42fa 9fb6 2bcc60f8e99a 52d92fbf 24da 4e4c 970b 8a87dfe1e548
Foto: Divulgação
acritica.com

Cerca de 20 servidores públicos da Prefeitura de Presidente Figueiredo, a 117 quilômetros de Manaus, bloquearam na manhã desta segunda-feira (12) os dois sentidos da rodovia BR-174, no trecho que passa pelo município, durante um protesto por salários atrasados. A rodovia liga ao estado de Roraima e uma longa fila de carros e caminhões se formou no local.

Os manifestantes são funcionários de limpeza pública do município de Presidente Figueiredo. Eles usaram galhos de árvore para fazer uma barricada na estrada e afirmaram que só liberariam a via após receberem pagamento de cinco meses de salários atrasados. “Só sairemos quando o extrato (bancário) estiver na nossa frente. Da boca dele, o que ele fala, não vale mais para mim nem para o povo. Se a gente sair daqui agora mês que vem estaremos aqui de novo”, disse uma das manifestantes, que preferiu não se identificar.

Durante o protesto, de hora em hora, os manifestantes liberavam um dos sentidos da rodovia para a passagem dos veículos. O caminhoneiro Kledson Silva, que tentava sair do município para fazer uma entrega de carga em Manaus, disse que a situação é crítica. “O congestionamento de quem vem pra Manaus está pior. Estou há 1h30 nessa fila para sair daqui”, contou.

Agentes da Polícia Rodoviária Federal (PRF) estiveram no local negociando com os manifestantes e trabalhando o fluxo de veículos e o engarrafamento na estrada.

A reportagem entrou em contato com a Prefeitura de Presidente Figueiredo e foi informada pela assessoria de Comunicação que o prefeito Romeiro Mendonça (PDT) estaria chegando na sede do Executivo para “averiguar a situação”. Segundo a assessoria, “até o momento a prefeitura não tem uma posição” sobre o assunto e uma nota de esclarecimento seria emitida ainda hoje.

Publicidade
Publicidade