Domingo, 22 de Setembro de 2019
70% da frota

Rodoviários decretam greve de 70% da frota dos ônibus na próxima segunda-feira (11)

A decisão foi tomada em assembleia geral na sede do sindicato após as empresas de ônibus divulgarem que não iriam repassar o reajuste de 8% nos salários dos trabalhadores



IMG0017246903.JPG 70% da frota vai parar na próxima segunda-feira, 11 de julho (Foto: Luiz Vasconcelos/Arquivo A Crítica)
07/07/2016 às 17:54

Os rodoviários de Manaus decretaram greve de 70% da frota dos ônibus da cidade para a próxima segunda-feira, 11 de julho. A decisão foi tomada em assembleia geral da categoria realizada na tarde de hoje na sede do Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários de Manaus (STTRM).

Os trabalhadores concordaram em fazer a paralisação após as empresas de ônibus divulgarem que não iriam pagar o reajuste de 8% nos salários. “A categoria deliberou pela aprovação da greve até que a empresas assinem de comum acordo para garantir que o processo do dissídio não seja arquivado”, disse o presidente do STTRM, Givancir Oliveira.

Os rodoviários prometeram, ainda, descumprir qualquer decisão da Justiça que determine a suspensão da paralisação e se mostraram dispostos a pagar qualquer multa orçada pela Justiça pelo descumprimento da ordem judicial. Segundo eles, a greve acontecerá por tempo indeterminado.

O reajuste

O reajuste de 8% nos salários dos rodoviários foi determinado pelo Tribunal Regional do Trabalho da 11ª Região (TRT) no dia 30 de junho, durante julgamento do Dissídio Coletivo Econômico da Categoria. O TRT decidiu pelo aumento de 8% após não ter havido acordo entre os rodoviários e os empresários. Inicialmente, os trabalhadores queriam reajuste de 20%.

Para dar o reajuste salarial aos rodoviários, o TRT considerou o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) e o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), mesmo percentual que também deveria ser aplicado a benefícios como cesta básica, ticket alimentação e vale lanche.

Sinetram

Ontem, o Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros do Estado do Amazonas (Sinetram) divulgou que não iria pagar o reajuste de 8% nos salários porque não tinha dinheiro suficiente em caixa para fazer tal pagamento. “Não tem como garantir o pagamento. A gente não tem como fazer agora, não tem dinheiro, não tem recursos”, declarou o advogado do Sinetram, Fernando Borges.

Em nota, o Sinetram informou que os salários e benefícios dos rodoviários, somados, chegam a quase R$ 3 mil. “Trata-se de uma categoria bem remunerada e as empresas estão trabalhando para pagar em dia. Todas as categorias estão passando por dificuldades”, disse, em comunicado.

“Não temos previsão de receita para arcar com tal despesa (reajuste salarial). A prefeitura não apresentou a planilha que comprove a possibilidade de pagar esses benefícios na tarifa R$ 3. Caso ocorra uma greve, vamos acionar a Justiça”, acrescentou o sindicato dos empresários.


Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.