Publicidade
Manaus
SOLIDARIEDADE

Saiba como seu pet pode ajudar a salvar a vida de outros animais doando sangue

Para ver se seu cachorro ou gato pode doar sangue, ele precisa atender algumas exigências de saúde veterinárias. Veja como funciona 01/07/2018 às 09:20
Show dd
Fotos: Reprodução
Maria Paula Santos Manaus (AM)

A necessidade e soliedariedade da doação de sangue é algo bastante comum entre os humanos, mas nunca paramos para refletir que os animais também precisam dessa boa ação. Da mesma forma que conosco, o procedimento passa por muitos receios por parte de quem quer doar, falta de doadores e também critérios rígidos para que seu pet possa ajudar a salvar a vida de outro. 

A doação por parte dos animais ainda sofre muitos preconceitos e em grande maioria é desconhecida pelos donos, então é importante lembrarmos que os bichinhos também aguardam por essa ajuda. “Falta divulgação aqui em Manaus uma vez que temos muitos casos ontem animais com doenças anemicas intensas, como doença do carrapato, morrem pela dificuldade da bolsa de sangue”, comenta a veterinária Iana Moral.

Por isso, Carolina Rocha, médica veterinária e fundadora da Pet Anjo, plataforma de serviços animais, ressalta em campanhas algumas dicas para ajudar os bichos que também precisam de sangue. “O objetivo é deixar claro que ajudar o próximo animalzinho não faz mal ao seu, afinal, as pessoas ainda desconhecem essa causa. Se no mundo humano já é cheio de preconceitos, imagina no mundo animal, né?”, diz a fundadora.

Critérios

Para ver se seu pet pode doar sangue, ele precisa atender algumas exigências de saúde veterinárias. Entre elas, as médicas citam o peso mínimo do animal, ou seja, cães devem ser de porte alto com mínimo de 27kg e 4kg para gatos, estarem saudáveis com idades entre 1 à 8 anos. “Fazemos um hemograma completo, até pra saber como calcular a quantidade de sangue que o receptor vai receber, assim vejos se o doador esta apto para doar”, comenta Iana.

É importante também que eles tenham um temperamento calmo, tendo em vista todo o processo de retirada de sangue. Os veterinários cobram também que o animal já seja vacinado e desparasitado, além de não usar nenhuma medicação nos últimos meses, e então o animal estará pronto para ajudar o próximo. 

“Os animais tem muitas tipagens sanguíneas, por exemplo, não existe casos como os dos humanos que só podem receber sangue equivalente a sua tipagem. Nos animais, coletamos o sangue do doador e na hora de transfudir, entramos com um antialergico e monitoramos cuidadosamente o paciente, se ele apresentar sinal de rejeição interrompemos a transfusão, mas isso ocorre com dificuldade”, finaliza a doutora Iana. 

Fazer o bem faz bem

Além da atitude nobre, os bichinhos doadores possuem algumas vantagens já que por meio do sangue retirado, garantem um diagnóstico completo que avaliam a saúde do pet. Em outras palavras, o animal além de fazer a doação acaba ganhando exames que verificam a sua saúde, como hemograma, testes para doenças transmitidas por carrapato, leishmaniose e FIV (conhecida popularmente como a aids felina).

Em Manaus, algumas clínicas oferecem consultas grátis, exames de check up completo e até banho e tosa gratuitos a fim de estimular o tutor a fazer com seu cão se torne um doador. As mais conhecidas na cidade são: Unipett, Vets e Pets e Q-Lates.

Além das clínicas, a cidade possui há mais de 10 anos um espaço voltado para este tipo de serviço, a Hemovet ou Banco de Sangue Veterinário é o único banco de sangue do Estado, mesmo sendo particular, sendo registrado e regulando junto ao Conselho Regional de Medicina Veterinária do Amazonas (CRMV).  Entre 40 a 50 cães cadastrados no sistema,  o proprietário Dr. Shirley das Chagas afirma que o animal também recebe o acompanhamento necessário: “o cão doador cadastrado tem acompanhamento medico veterinário periodicamente, vacinas anuais gratuitamente e exames complementares para acompanhar o estado de saúde do cão. Para ajudar o proprietário a levar seu animal para doar, oferecemos até o transporte para a clínica”, completou Shirlley.

Todo o processo é gratuito com duração em torno de 15 minutos e em cada doação são retirados, em média, 450 ml de sangue nos cães e de 20 a 40 ml de sangue nos gatos. A causa não traz nenhum risco para o animal e leva esperança de vida para outro que precisa dessa transfusão de sangue. "É preciso se colocar do outro lado e imaginar que poderia ser o nosso pet precisando dessa mão amiga. As pessoas precisam se conscientizar e abandonar o receio da doação, já que os animais doadores não sofrem ou são prejudicados", argumenta Carolina.

Publicidade
Publicidade