Publicidade
Manaus
APÓS CRÍTICAS

Seap nega haver projeto de construção de unidade prisional no Tarumã, em Manaus

Órgão afirmou que projeto é para implantação de espaço de treinamento para internos. Medida foi criticada por moradores de condomínios de luxo das proximidades 05/07/2018 às 14:11 - Atualizado em 05/07/2018 às 14:38
Show galpao
(Foto: Jander Robson/Freelancer)
acritica.com Manaus (AM)

A Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap) negou a existência de projeto para implantar um presídio de regime semiaberto no bairro Tarumã, Zona Oeste de Manaus. Moradores e síndicos de condomínios de luxo da Avenida do Turismo, próximo ao local, protestaram semana passada contra a medida.

De acordo com a secretaria, uma negociação não concluída envolve o aluguel de um galpão de 23 metros quadrados para implantação de espaços de treinamento, cursos e atividade laborar para internos em regime semiaberto. O local ficaria instalado na avenida Tarumã, depois da Cachoeira Alta, em direção ao igarapé do Tarumã. A Seap afirma que a medida atende decisão do Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM) referente ao processo de desativação do regime semiaberto do Compaj.

O órgão informou que o objetivo é implantar um espaço de cursos e treinamentos, e não uma unidade prisional.

“A Seap esclarece que as atividades deverão ser desenvolvidas pelos cumpridores de pena do semiaberto, que estão sendo monitorados por tornozeleiras eletrônicas, durante o horário de expediente comercial. À noite, todos devem retornar aos seus endereços fixos, obedecendo as decisões judiciais de monitoramento sobre circulação no perímetro máximo de 100 metros de suas residências no período noturno”, destacou a Seap.

A secretaria informou que a unidade prisional deve ser construída em outro local, que não foi definido até o momento.

“A Secretaria reitera que a utilização da estrutura do galpão não vai impactar na rotina da vizinhança do local, tendo em vista que os cumpridores do regime semiaberto envolvidos no projeto já estão há pouco mais de três meses em semiliberdade e em processo de reinserção na sociedade”, disse.

Publicidade
Publicidade