Publicidade
Manaus
contra o tempo

Igreja de São Sebastião tem problemas com infiltrações, goteiras e fiação elétrica

Importante patrimônio histórico, vizinho do suntuoso Teatro Amazonas, passa por sérias dificuldades em sua estrutura, comprometendo belas obras sacras que estão sendo, aos poucos, danificadas 05/05/2016 às 00:15
Paulo André Nunes Manaus (AM)

Defensor da Igreja como soldado, capitão e apóstolo dos confessores, São Sebastião está travando uma batalha inglória contra a ação do tempo e das mudança climáticas de Manaus. Monumento arquitetônico existente há 128 anos na cidade, a igreja, que leva o nome do santo, necessitando de reparos urgentes em várias partes da sua estrutura que, a cada dia que passa, fica mais comprometida.

Um dos principais problemas observados por quem adentra o templo, de estilo neoclássico com elementos medievais, são as infiltrações decorrentes do telhado quebrado e que já estão atingindo as célebres pinturas sacras antigas.

Uma dessas obras prejudicadas, por coincidência, é a denominada “S. Lourenço de Brindisi Capuchinho na Victoria de Alba Real”, produzidas na Itália pelo pintor Francisco Campanella, localizada próximo ao altar-mor e da imagem consagrada a São Sebastião. Nela, a água está comprometendo a parte superior esquerda, bem como apagando parte das inscrições feitas em latim.

Ao redor da tela em homenagem aos capuchinhos, outras três pinturas de Campanella apresentam danos em virtude das infiltrações - “S. Francisco Recebendo as Chagas”, S. Fidélis de Sigmaringa Capuchinho Protomartyr de Propaganda Fé” e “N. Sra. Divina Pastora” (está última está descolando da parede centenária).

Goteiras

Outro entrave são as inúmeras goteiras decorrentes ainda das telhas quebradas, o que está interferindo até nas celebrações da missa:  quando chove, é comum os fieis se locomoverem de um lado para o outro para desviar da água, e há relatos que alguns utilizaram até mesmo guarda-chuvas ou sombrinhas para se proteger e acompanhar a liturgia. 

Fiação desgastada

Um problema de alto risco encontra-se na antiga e desgastada fiação elétrica da estrutura. Sobrecarregada, principalmente quando a central de ar-condicionados é acionada, a fiação já apresentou curto-circuitos e corre o risco de incendiar a qualquer momento.

Situação grave

Engenheiros elétricos orçaram os custos para o reparo da fiação elétrica em R$ 200 mil, mas os reparos nos telhados e demais danos devem consumir algo em torno de R$ 350 mil a R$ 400 mil segundo informa o frei Sebastião Fernandes, pároco da Igreja de São Sebastião.

Ele afirma que é grave a situação atual da famosa estrutura fincada no conjunto arquitetônico e histórico do Largo São Sebastião.

“A situação atual da nossa igreja é muito crítica. Há mais ou menos 6 a 7 anos estamos buscando ajuda do Governo do Estado para a obra ser restaurada justamente por ela ser tanto um patrimônio histórico quanto artístico de Manaus. Exatamente por causa disso, então, buscávamos sempre uma ajuda do poder público. Durante todos esses anos nós nunca obtivemos nenhuma resposta favorável à igreja e, com o passar do tempo, as coisas foram se deteriorando”, declara o religioso.

Canpanha visa arrecadar recursos para reparos

Sem retorno dos poderes terrenos, a paróquia de São Sebastião/São Francisco decidiu organizar uma campanha para sensibilizar os fieis a contribuir para a troca completa da atual fiação elétrica e da subestação de energia da obra secular.

Uma das iniciativas é Ação entre Amigos, em forma de rifa, no valor de R$ 5 e cujo sorteio acontece no próximo dia 22. Já no dia 15, a Casa da Criança recebe uma feijoada em solidariedade à igreja. E no dia 11 de junho a paróquia promove  a sua festa junina.

“Com as contribuições que recebemos Já iniciamos por conta própria os trabalhos da troca completa da fiação e da subestação”, disse o frei Sebastião. Se você quer ajudar, a secretaria da secular igreja funciona de 8h às 13h e de 14h às 18h.

Curiosidades

Frei Fulgêncio Monacelli, 78, uma das autoridades religiosas mais carismáticas da cidade, não está acompanhando o momento de dificuldade pela qual passa a sua igreja. Ele está na Itália, se recuperando de uma cirurgia nos olhos. Monacelli prestou serviço religioso na igreja São Sebastião durante 21 anos, sendo o pároco que permaneceu por mais tempo no posto. Não há previsão de quando ele retorna a Manaus.

A igreja é zelada pelos frades capuchinhos, uma ordem religiosa aprovada como um ramo da primeira ordem de São Francisco de Assis em 1517 pelo papa Leão X. Depois que foi elevada como paróquia, teve como primeiro pároco o frei José Massi de Leonissio. Atualmente, dez frades capuchinhos moram na paróquia.

Publicidade
Publicidade