Publicidade
Manaus
EM ABERTO

Seinfra adia interdição da rua na Zona Norte para construção de passagem de nível

Via precisa de pavimentação do desvio para onde o trânsito será direcionado. Data para interdição está em aberto 26/03/2018 às 17:51
Show sem t tulo
(Foto: Divulgação)
acritica.com Manaus (AM)

A rua S, situada no conjunto Galileia, zona norte de Manaus, que seria parcialmente interrompida nesta terça-feira (27/3), está agora com a data da interdição em aberto. É que a Secretaria de Estado de Infraestrutura (Seinfra), responsável pela obra, verificou a necessidade de pavimentação do desvio para onde será direcionado o trânsito. Esse serviço de tapa-buraco deverá ser realizado durante três dias.

O passo seguinte será iniciar no local a construção de mais uma passagem de nível na Avenida das Flores, que dará fluxo contínuo ao local. Isso evitará a interdição definitiva de uma das principais vias daquela região, segundo informou a Seinfra.

A interdição da área se faz necessária tendo em vista a mobilização de homens e máquinas no local para que sejam realizados os procedimentos padrão de engenharia no trecho. A construção da passagem de nível é de suma importância, haja vista que, pelo projeto original, a rua deixaria de existir uma vez que seria fechada com a construção da Avenida das Flores.

No entanto, o Governo do Amazonas, atendendo às solicitações de moradores e comerciantes daquela localidade, determinou a alteração do projeto original da Avenida das Flores, no trecho onde acontece a intercessão entre as duas vias, com a construção dessa passagem de nível. A previsão de duração dessa interdição é de 120 dias.

Um dos fatores que contribuiu para a aprovação da construção da passagem de nível é o fato de a rua S ser uma das principais vias de escoamento daquela área da cidade. O fluxo de veículos no local foi preponderante para a tomada de decisão. 

“A construção de mais uma passagem de nível, desta vez no Galiléia, e que não constava no projeto original, salvou essa rua de ser extinta e de que os moradores fossem transferidos para outros locais”, explicou o secretário Infraestrutura, Oswaldo Said.

Publicidade
Publicidade