Sexta-feira, 19 de Julho de 2019
NA ZONA SUL

Sem água, moradores do Japiim 1 cobram providências e ameaçam fazer protesto

Cansados de sofrer com esse problema, a população pensa em fazer uma manifestação para que os responsáveis resolvam de uma vez por todas essa questão



japiim.JPG Foto: Gilson Melo
21/07/2017 às 05:00

Há meses, moradores da Rua Portugal, do bairro Japiim 1, Zona Sul de Manaus, sofrem com a interrupção da água no local. Esta semana, várias famílias ficaram sem água desde segunda-feira (17), e apenas no final da tarde de ontem o fornecimento começou a ser regularizado. Mesmo assim, cansados de sofrer com esse problema, a população pensa em fazer um protesto para que os responsáveis resolvam de uma vez por todas essa questão.

Todos os dias, sem saber se terão ou não água nas torneiras, os moradores da Rua Portugal são obrigados a comprar um garrafão de R$ 5 para fazer comida e também para beber. A situação é tão complicada, que há quem use a água que cai do ar-condicionado para tomar banho.

Apesar do abastecimento de água não ser regular, a conta da Manaus Ambiental chega às residências todos os meses. E o valor da cobrança é absurdo. Segundo os moradores, a maioria paga mais de R$ 300 por mês, mesmo sem ter água nas torneiras todos os dias. A aposentada Olga Alfaia, de 75 anos, que mora com dois filhos, disse que não tem condições de pagar R$ 500 por um serviço sem qualidade.

“Há pelo menos cinco meses nós sofremos com esse problema, mas a conta não atrasa. Eles cobram um valor absurdo por algo que a gente nem usa. Se tivesse água, a gente não se importaria em pagar. O problema é que não tem. Sou aposentada, moro com um filho que vive acamado e outra filha que me ajuda. Não tenho condições de pagar o que eles cobram, por isso meu nome foi parar até no Serasa”, comentou a aposentada, rezando para que a água apareça na torneira.

Água do ar-condicionado
Os moradores da Rua Portugal se sentem abandonados, eles já entraram em contato várias vezes com a Manaus Ambiental e até hoje ninguém soube informar o motivo da falta d’água no local. Cansados de sofrer, eles estão pensando em organizar um protesto, caso o problema não seja solucionado.

“Todo dia é a mesma coisa, não sabemos se teremos água em casa. Estou toda inchada e mesmo assim tenho que carregar água. Eu já tomei banho com a água do ar-condicionado. Estamos cansados e vamos protestar. Vamos pegar um carro de som e fechar a rua, caso esse problema não seja resolvido”, comentou Eliana Bentes.

Ainda segundo a cozinheira, mesmo com muitas reclamações, eles não sabem o motivo da falta d’água.

“A gente liga pra Manaus Ambiental e eles só sabem dizer que água vai chegar às 7h, mas nunca chega. Às vezes, chega de madrugada e vai embora de novo”, completou.

“Minha vida é esperar meus filhos chegarem do trabalho para comprarem água para eu poder beber e preparar as refeições aqui de casa. Isso é um absurdo”, Maria do Socorro Gomes dos Santos,  dona de casa vítima da falta de água nas torneiras.

“Acordo de madrugada para aparar água para a minha filha. Às vezes não tenho dinheiro para comprar água e minha filha não pode tomar banho com água de ar-condicionado”, Meirejane Vieira dona de casa.

Cinco meses é o tempo que os moradores da Rua Portugal, do bairro Japiim I, dizem que sofrem com a falta d’água no local. Esta semana, eles ficaram sem água por três dias, o fornecimento só começou a ser reestabelecido na tarde de ontem. Entramos em contato com a equipe da Manaus Ambiental, mas não tivemos resposta até o fechamento desta edição.

Receba Novidades

* campo obrigatório

Mais de Acritica.com

Sobre Portal A Crítica

No Portal A Crítica, você encontra as últimas notícias do Amazonas, colunistas exclusivos, esportes, entretenimento, interior, economia, política, cultura e mais.